Divulgação
Divulgação

Renata Vasconcellos diz que se sentiu recompensada com mudança para o 'Fantástico'

Após 11 anos no 'Bom Dia, Brasil', apresentadora conta como está se adaptando à nova rotina na Globo

João Fernando, O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2013 | 19h52

Aquele dia em que você acorda antes do despertador e tem a alegria de saber que ainda restam algumas horas de sono virou uma constante na vida de Renata Vasconcellos. Desde que deixou o Bom Dia Brasil para comandar o Fantástico ao lado de Tadeu Schmidt, a jornalista se livrou da árdua obrigação de se levantar às 4h40.

“Por causa do fuso, que mudou de uma hora para outra, às vezes, acordo no meio da noite e não durmo mais. Mas já me sinto mais bem disposta à noite, o que não acontecia. Havia dias em que ainda estava escuro quando eu saía. Nos últimos anos estava mais difícil acordar a essa hora”, confessou ao Estado. Ela ficou 11 anos à frente do telejornal matinal.

Uma das contrapartidas da nova função é ter de dar expediente aos domingos. “O ritmo de trabalho é outro. Tem isso do domingo, realmente. Porém, muitas vezes é o Tadeu que está de plantão. Tem outas compensações que ganhei em relação ao horário. A gente que é jornalista sabe que há ciclos que vão se renovando. É do jogo.”

Renata conta que foi convidada a apresentar o dominical três semanas antes de assumir o posto. “Isso me surpreendeu. E eu até prefiro assim do que muito tempo antes”, avalia. Segundo ela, a mudança não foi uma imposição da emissora. “Ninguém faz o que não quer. Para mim, apresentar um programa com esse peso na TV é um privilégio. Eu me senti recompensada pela responsabilidade.”

Sair de uma atração de notícias factuais para outra com tom mais popular não a incomodou. “Fora dos telejornais, a gente lida com todos os tipos de assunto. A diferença é que vou falar na TV. Tem horas em que a gente fala de um assunto relevante, que foi parar na ONU e outra hora do casamento do Naldo. Mas fazemos isso na vida cotidiana. Eu adoro brincar, não sou séria o tempo inteiro.”

Aos 41 anos, quase 20 na Globo, ela vai poder usar um figurino menos sóbrio que o das manhãs, porém, sem chamar tanta atenção. “O principal é a notícia, não pode estar over”, ensina. Sua irmã gêmea, a estilista Lanza Mazza, preparou um vestido para aparecer na TV. “É vermelho. Essa é a dica.” Magra, ela não se preocupa em ser chamada para o Medida Certa, como sua antecessora e homônima, Renata Ceribelli. “Espero que eu continue assim.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.