ALEXANDRE CAMPBELL/DIVULGAÇÃO
ALEXANDRE CAMPBELL/DIVULGAÇÃO

Relações em casa são destaque em 'Questão de Família'

Na segunda temporada da série, juiz fica na berlinda e começa a conviver com mãe desaparecida

João Fernando / RIO, O Estado de S. Paulo

29 Março 2015 | 03h00

Acostumado a flagrar os outros, o juiz de vara de família Pedro (Eduardo Moscovis) é quem vai ficar na berlinda na próxima temporada de Questão de Família, que estreia quarta, 1.º de abril, às 22h30, no GNT. O protagonista, que investiga por conta própria a vida de quem está julgando, será descoberto em uma de suas saídas secretas e ficará encrencado. Para piorar, ele terá problemas com um magistrado, Cássio (Fulvio Stefanini), que pensará ter sido traído pela mulher com o colega.

“Ele é ameaçado de aposentadoria compulsória”, adianta o cineasta Sergio Rezende, que dirige e escreve a série. “Ele é perseguido e começa a se questionar”, conta o corroteirista Rodrigo Lages. “Ele é retirado do lugar de poderoso, dessa blindagem que os juízes têm”, analisa Eduardo Moscovis.

Além dos imbróglios profissionais, a vida pessoal de Pedro ficará mais confusa por conta das diferentes mulheres com quem ele se envolveu na temporada interior. “Pela dificuldade em resolver as próprias coisas, ele foi levado a resolver as dos outros. Há pessoas que são assim, não conseguem se organizar”, palpita o intérprete, que conversou com o Estado no intervalo de uma gravação, no ano passado. O Fórum do Rio retratado na série é, na verdade, o prédio de uma universidade, cujos corredores se assemelham aos da instituição.

Outro desdobramento da nova fase é a relação familiar de Pedro. A mãe, que aparecia apenas em flashbacks, surgiu no último episódio e agora voltará a conviver com o filho. Por conta da passagem de tempo, o papel que era de Juliana Martins, mais jovem, passou para Esther Góes. Seu irmão Marcos (Iano Salomão), dependente químico e suspeito de ter matado o pai, coronel Fernandes (Eduardo Galvão), ficará ainda mais incontrolável. “Ele está preso e tenta se suicidar na prisão”, revela ainda Moscovis.

Sergio Rezende explica que a temporada terá menos foco nos casos que o juiz analisa. O destaque serão as relações próximas do protagonista. “A família é o grande espaço dramático e dramatúrgico, como já falaram Édipo e Nelson Rodrigues”, explica. O diretor quer retratar as mudanças das últimas décadas. “Nos anos 1970, achou-se que a família ia acabar. Mas foi o contrário, a família se reforçou. Antes, era um espaço de repressão. Hoje, é de liberdade, ainda que existam conflitos”, avalia. Além de lidar com mãe e irmão, Pedro terá de conviver com Ana Paula (Luiza Mariani), advogada com quem teve um romance, que voltou da Europa, e terá indas e vindas com a ex-mulher Renata (Georgina Góes). “O casamento é como uma cidade que você visita na juventude. Quando volta, é ruína”, compara Eduardo Moscovis. 

O REPÓRTER VIAJOU A CONVITE DO CANAL GNT

Mais conteúdo sobre:
Televisão Série

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.