Helen Sloan/HBO.
Helen Sloan/HBO.

Reencontros marcam primeiro episódio da oitava temporada de ‘Game of Thrones’

Estreia da oitava temporada desperdiçou potencial ao explorar mal reuniões de personagens importantes; capítulo bateu recorde de audiência na HBO

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

15 de abril de 2019 | 19h28

A espera finalmente acabou e Game of Thrones estreou sua oitava e derradeira temporada no domingo, 14. Só nos EUA, o episódio foi visto por 17,4 milhões de pessoas, se transformando na maior transmissão da história da HBO (foram 16,9 milhões no final da sétima temporada). As estatísticas que contam streaming ainda não foram consolidadas – e a emissora não tem as contas de quantas pessoas assistem ao redor do mundo (o Entertainment Weekly estima que sejam 100 milhões).

A partir de agora, esse texto contém revelações sobre a trama do novo episódio.

Foi um festival de reencontros: o mais emotivo e bem escrito deles foi o de Jon Snow (Kit Harington) e Arya Stark (Maisie Williams), meios-irmãos separados desde a primeira temporada. É engraçado (ele pergunta se ela já usou a espada, Agulha, que lhe deu na primeira temporada; sabemos que Arya se tornou uma matadora eficiente). A cena também é comovente ao fazer notar, numa passagem de atuação intensa dos dois atores, uma vontade genuína de estarem juntos (e o sorriso de Arya traz um frescor bem-vindo a uma abertura de temporada bastante sisuda).

Talvez o mais decepcionante reencontro tenha sido o de Tyrion Lannister (Peter Dinklage) e Sansa Stark (Sophie Turner). Tyrion sempre foi o personagem preferido de muita gente por sua inteligência acima da média, mas nos últimos anos parece que esse traço se perdeu. Sansa chega a dizer isso literalmente (“eu pensava que você era o homem mais esperto do mundo”), mas mesmo assim a reunião de dois personagens centrais – um casamento nunca consumado, cuja dissolução levou Tyrion para o outro lado do mundo – tinha um potencial dialógico que poderia levar Thrones direto para os bons e velhos tempos. Mas não aconteceu.

Passeio pelos ares à Como Treinar Seu Dragão de Jon e Daenerys (Emilia Clarke) à parte, o episódio traz diversos paralelos com o primeiro capítulo da primeira temporada, o que pode servir para prever o futuro da série. A cena final, em que Jaime (Nikolaj Coster-Waldau) e Bran Stark (Isaac Hempstead Wright) se encaram, promete um segundo episódio mais interessante – e a última calmaria antes da aguardada batalha entre vivos e mortos no terceiro capítulo.

Mais conteúdo sobre:
série e seriadoGame of Thrones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.