Divulgação/Globo
Divulgação/Globo

Rafael Vitti faz 'intensivão sertanejo' para se transformar em ícone da música

Antagonista de ‘Rock Story’, ator ganha papel de destaque em sua terceira novela na Globo

Gabriel Perline, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2016 | 04h00

Antes de subir no palco diante de uma plateia de 40 mil pessoas e rebolar vestindo uma calça justa, distribuir piscadelas e tentar seduzir pessoas que nunca viu na vida, Rafael Vitti passou por um treinamento intensivo, iniciado há pouco mais de três meses. Horas diárias dedicadas a aulas de canto e de dança, além de sessões com um fonoaudiólogo, foram necessárias para que Léo Régis, seu personagem em Rock Story, tivesse todos os atributos comuns aos ídolos do sertanejo pop. 

Dennis Carvalho, diretor da novela, escalou Vitti mesmo sabendo que tais habilidades não constavam em seu perfil. Contratou um staff experiente, incluindo o coreógrafo Raffaele Casuccio (que já trabalhou com o grupo Spice Girls), para transformar o ator em um astro musical. O resultado desse experimento tem sido visto desde quarta-feira, 9, na nova novela das 19h da Globo.

“A partir do momento que descobri que faria o Léo Régis, um cantor muito famoso, comecei a trabalhar as qualidades que um artista deste porte precisa ter. Eu sabia que tinha que aprender a cantar, melhorar a minha voz, ter uma presença de palco de um artista que já fez isso várias vezes. Ele não é tímido e pode agir como quiser, porque seu público está completamente entregue a ele. Quando me apresentei para 40 mil pessoas, eu o incorporei, porque jamais havia feito isso antes e tampouco imaginei que faria um dia”, disse Vitti ao Estado.

Embora seja cedo para qualquer avaliação sobre seu desempenho, dá para ver que ele é, no mínimo, um bom aluno. Nos primeiros episódios, o ator tem reproduzido movimentos e trejeitos bastante semelhantes aos dos sertanejos que tomou como base para criar seu personagem, como Luan Santana e Lucas Lucco. Em termos vocais, a comparação com esses artistas seria um equívoco. Mas ouvi-lo cantar está longe de ser uma penitência. “Trabalho vocal exige tempo, ninguém vira cantor de uma hora para a outra”, pondera.

Léo Régis é o antagonista de Rock Story. Embora apareça em sua mansão logo no primeiro episódio, tem origem humilde. Antes da fama, trabalhava como frentista de posto de gasolina, e sua mãe era gari. Ficou rico da noite para o dia. Com o dinheiro vieram uma leve arrogância e prepotência, acompanhadas de uma sequência de atitudes equivocadas. Mas ele está longe de ser um mau-caráter.

“É um cara novo, com muito poder e muito dinheiro. Nunca teve uma bicicleta, e agora pode comprar um carro de R$ 1 milhão. Ao mesmo tempo, é totalmente manipulado pela mãe. Na verdade, ele é ingênuo. Não é um cara que faz as coisas por maldade, embora seja um pouco incisivo e ácido”, explica.

Os traços menos louváveis de seu temperamento entram em atividade quando o assunto é Gui Santiago (Vladimir Brichta), o mocinho e anti-herói da novela. Gui é um roqueiro quarentão que tenta reerguer sua carreira. O embate entre os dois surge quando o veterano vê o novato no topo das paradas com uma música de sua autoria, inédita, que teria sido roubada. “Na cabeça dele, ele não roubou nada. Mas vive provocando o Gui. Tem muita malícia em seus comentários, e ele tem muita coisa para aprender na vida”, defende.

Para piorar, a mulher de Gui, Diana (Alinne Moraes), pede divórcio e engata um romance com Léo. “Sempre admirei a Alinne. Era a única pessoa da TV que eu parava para assistir. Eu era uma criança muito agitada, nunca parava para ver TV. Tinha uns 9 anos e, quando ela passava na tela, eu parava e ficava admirando”, lembra.

Fenômeno. A trajetória de Rafael Vitti na TV é recente. Filho do casal de atores João Vitti e Valéria Alencar, estreou na Globo em 2014, aos 19 anos, com um papel de coadjuvante na 22.ª temporada de Malhação. A boa atuação, somada à conquista de uma legião de fãs, fez seu personagem ter mais projeção que o do protagonista. Desde então, passou a emendar um trabalho no outro. Esteve no quadro Não Se Apega, Não, do Fantástico, venceu o reality Truque Vip, do Domingão do Faustão, atuou no spin-off da novela Totalmente Demais, participou da primeira fase de Velho Chico e, agora, aos 21, está em sua terceira novela. No currículo ainda constam três peças de teatro e três filmes, além de dois livros de poesias. “Escrever, para mim, é uma questão de necessidade”, garante.

Da experiência no palco, ele pretende tirar proveito para se aperfeiçoar como ator. “Não tenho ambição de ser cantor, mas vamos ver o que acontece. Quero viver um dia de cada vez.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.