'Quero ser uma velhinha bonitinha'

Com 56 novelas no currículo, recorde no Guiness, atriz Ana Rosa dribla o tempo com maestria

Alline Dauroiz, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2008 | 15h43

O metabolismo de Ana Rosa é acelerado. E isso diz muito sobre ela. Além da dificuldade (bendita) para engordar, aos 66 anos, a atriz conserva uma vitalidade e inquietude de dar inveja. "Sempre fui muito agitada na minha vida. Aquela que assobia e chupa cana ao mesmo tempo (risos)."Nascida num circo de Promissão (SP), aos 15 dias de vida, foi colocada em cena no picadeiro. Aos 4 anos, protagonizou a peça Os Dois Garotos. Já bailarina, aos 16, foi trabalhar no circo de Dedé Santana, com quem começou a namorar. "Cometemos esse deslize (risos). Com três meses de namoro, nos casamos. Tivemos dois filhos (um morreu), mas o casamento durou só quatro anos." Aos 22, conheceu o ator Guilherme Corrêa, que morreu em 2006, com quem teve a tarefa de criar sete filhos, quatro deles, adotados.Estreou na TV já como protagonista de dois papéis em Alma Cigana (1964, TV Tupi), primeira novela gravada em videotape - categoria que é recordista do Guiness. Vaidade? Que nada. "Quantidade não é qualidade. Fiz muita coisa ruim." O fato é que até hoje ela não perdeu o posto. No ar em Três Irmãs, na Globo, seu 56º folhetim, Ana Rosa vive Virgínia, personagem inspirada na avó do autor Antonio Calmon, que criou nove filhos. Calmon logo pensou na atriz para o papel, a mãe doce e trabalhadora, que tinha muito de Ana Rosa.Você se identifica com Virgínia?Nessa coisa de ser mãezona, temos muito em comum. Mas não tenho toda essa segurança. Mas, às vezes, a Virgínia deveria rodar a baiana. Ela é muito tranqüila... (risos)Pacífica demais?Ela passou por muitos momentos difíceis. Isso fortalece. Mas ela tem fragilidade física. Deve usar essa tática para se preservar fisicamente.Como está sua faculdade de Cinema? Complicado é conciliar o tempo. Estou no 6º período e, se conseguisse fazer todas as matérias, estaria me formando no fim do ano. Tenho um projeto que quero pôr em prática em dois anos: Violetas na Janela. Em 97, eu e meu marido adaptamos o livro para o teatro, e a peça fez muito sucesso.Os anos passam e você está ótima. Fez plástica?Há uns dez anos, fiz um lifting e, há cinco, dei uma mexida de leve no nariz. Sempre tive um nariz "personalíssimo", diziam. Mas com o tempo, nariz e orelhas crescem. Só acho que ficou mais arrebitado do que eu queria.E no dia-a-dia?Cuido religiosamente da alimentação. Sofri muito com dores de cabeça e descobri que sou alérgica a derivados do leite. Mas antes, evitava gordura, pois achava que provocava dor. Hoje, gordura não faz falta. Gosto de cuidar da pele, coisa que só ultimamente tenho tido tempo para fazer, porque quando os filhos eram menores, não tinha tempo nem condição financeira para isso. Envelhecer te assusta?Não. Quero ser uma velhinha bonitinha, jeitosinha. Acho que alguns retoques, às vezes, devem ser feitos, mas sem exageros. Acho até ridículo, com minha idade, querer ter carinha de 20.  

Tudo o que sabemos sobre:
Ana Rosaentrevista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.