Quero ser amiga da Betty, a feia!

Fazia tempo que a TV não produzia uma heroína que causasse no público aquela sensação de muita vergonha alheia. Betty preencheu essa lacuna com perfeição. No piloto de Ugly Betty, a coitada acredita que qualquer poncho está na moda e veste o seu: uma peça horrível com a inscrição Guadalajara. Muita vergonha! E, no terceiro episódio, quando ela decide se arrumar para comer em um restaurante bacana com o chefe e um fotógrafo badalado, eu quis morrer. O figurino deu muito dó! Betty é tão fofa que, nesse episódio, tive muita vontade de entrar na TV, ficar amiga dela e lhe dar de presente uma camiseta básica branca e uma calça jeans. Betty, menos é mais! Só um parênteses: até Marcos Pasquim, no especial Guerra e Paz, da Globo, ficou ótimo de camiseta branca e calça jeans... Sim, ele ficou alguns segundos com camiseta e cortou aquele cabelo horrendo!Por falar em cabelos e voltando à Betty, queria saber por que ninguém passa uma dica de cabeleireiro bom para a coitada - tudo bem que tive um corte parecido, mas era adolescente e vivia no fim dos anos 80 e início dos 90, então, não conta. A Salma Hayek, por exemplo. Ela está lá na série e faz papel de amiguinha da Betty, mas não serve para nada! Betty, um simples rabo-de-cavalo já iria melhorar seu visual... Ah, e escolha melhor essas suas amizades! Sei que pareço uma daquelas loucas que perseguem atores, mas preciso citar novamente dr. House neste espaço. Quase tive um colapso quando o médico disse "castanha-do-pará" no último episódio exibido por aqui. Charmoso e falando português!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.