Divulgação
Divulgação

Quarta temporada de 'Game of Thrones' mantém ritmo de violência

Capítulos serão lançados em DVD e Blu-ray no dia 12 de março

Pedro Antunes, O Estado de S. Paulo

24 de fevereiro de 2015 | 19h00

Se Game of Thrones ensinou uma lição, ao longo das últimas temporadas já exibidas na HBO, é que existe uma linha muito tênue entre a vida ou a morte. E ela pode ser transportada a qualquer momento. Por isso, todo o cuidado é pouco. Em uma entrevista por videoconferência, para promover o lançamento da quarta temporada do seriado em home vídeo (DVD e Blu-ray), que chega às lojas em 12 de março, as atrizes Sophie Turner e Nathalie Emmanuel, que interpretam Sansa Stark e Missandei, respectivamente, explicaram o segredo para sobreviver em Westeros, mundo fictício no qual se passa a série e os livros nos quais ela é baseada, As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R.R. Martin. 

“É uma questão meio surreal”, disse Sophie, cuja personagem começa a ganhar destaque e deixa de ser a garota bobinha dos anos anteriores nesta quarta temporada. “Ser adaptável ao ambiente no qual você se encontra”, explica ela, por fim. Sansa Stark, filha de uma espécie de senhor feudal que comanda a região norte de Westeros, teve a família praticamente toda assassinada, em jogos de poder de Game of Thrones e conseguiu sobreviver graças à ajuda de alguns poucos aliados. Órfã, ela se encontra nesta temporada em uma situação política complexa, nas mãos do astuto Mindinho (interpretado por Aidan Gillen), mas sabe que, a qualquer momento, sua vida pode ser extita. “Tudo depende de quem está ao seu redor. É preciso conhecê-los bem e jogar o jogo”, ela completa. 

 

Já Nathalie, que dá vida a Missandei, uma escrava liberta e intérprete de uma das protagonistas da série, Daenerys Targaryen (Emilia Clarke), entende que para sobreviver às temporadas de Game of Thrones, é preciso estar rodeada de pessoas confiáveis. “Faça bons aliados”, disse ela. “Missandei, por exemplo, está ao lado dessa garota (Daenerys), que tem três dragões capazes de comer qualquer um que chegar perto de nós. Isso é uma proteção ótima.”

O quarta temporada, exibida em 2014, foi novamente a mais baixada do ano. De acordo com o site TorrentFreak, foram 8,1 milhões de downloads ilegais, a frente de outros blockbusters televisivos, como Walking Dead e The Big Bang Theory, segundo e terceiro colocados, respectivamente. Mas nem mesmo isso foi capaz de diminuir os ótimos índices de audiência do seriado, que permanecem em alta. 

O ano mais recente de Game of Thrones começou a temporada com 6,6 milhões de televisões sintonizadas nos Estados Unidos, no primeiro episódio, e chegou ao fim do décimo episódio com 7,1 milhões. Em comparação, a primeira temporada teve início com 2,2 milhões e terminou com 3 milhões. Ao longo dos anos, o crescimento foi exponencial, principalmente na terceira e quarta temporadas. 

Muito do sucesso se deve às mortes de personagens considerados principais, algo recorrente ao longo da história da série, como aconteceu ao fim da primeira e da terceira temporadas. Com um roteiro cada vez mais conciso e sem pontas soltas, Game of Thrones caminha para seguir soberana entre as séries de TV por assinatura. 

A leva mais recente de episódios, lançada agora com preços de R$ 149,90 (DVD) e R$ 199,90 (Blu-ray), começa e termina com duas mortes chocantes. Uma é considerada um alívio para os fãs da série, enquanto a outra é mais uma daquelas mortes nas quais os fãs se revoltam contra Martin, o criador de tudo, e os produtores da série, David Benioff e D.B. Weiss. A quinta temporada, que estreia em12 de abril, nos Estados Unidos e no Brasil, contudo, promete ser ainda mais angustiante, já que a cronologia ultrapassará a história dos livros e trará surpresas (agradáveis e desagradáveis, como de costume) até para os leitores de As Crônicas. Talvez, o jeito seja confiar nas dicas de Sophie e Nathalie e torcer para que a estratégia de ambas garanta uma sobrevida, pelo menos até a sexta temporada. 

Tudo o que sabemos sobre:
Game of Thronesséries de TV

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.