Quanto vale o show da reforma?

Eliana ganha ibope ao somar dicas de utilidade pública à velha idéia de transformar visuais

Alline Dauroiz, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2008 | 21h51

Catorze mil reais: eis o que Simone Maza teria desembolsado caso tivesse de pagar por toda a reforma nela operada por encomenda do programa de Eliana na Record, durante duas semanas.Nada de "Dia de Princesa" e transformação à base de falsos cachinhos que despencam na primeira lavada. No quadro A Verdadeira Idade, do programa Tudo É Possível, a idéia "é dar um recomeço às pessoas", diz o diretor de Externas, Ricardo Carmona. O exagero da frase está no fato de que, além de banho de loja, dicas de moda e um dia no salão de beleza, a produção conta com dermatologista e dentista, que promovem mudanças para o resto da vida. E nada de plástica."Não adianta botar cachinhos se a pessoa não tem um dente, ou se envergonha de sorrir", diz o ortodontista Fábio Bibancos. "Aqui, devolvemos a dignidade, coisa que não se consegue no serviço público. Lá, costuma-se arrancar os dentes doentes."No ar uma vez por mês, o quadro já tem quase 30 mil inscritos (97% mulheres). Até agora, quatro edições foram ao ar, sempre com boa audiência (12 pontos). No último domingo, o programa registrou seu recorde: 14 pontos. Por seis minutos, o Tudo É Possível ficou na liderança, bem quando exibia o quadro. Participante da ocasião, a ex-bailarina de axé Simone Maza revelou, após quase meia hora de suspense, que tem 32 anos.O Estado tentou encontrar outras participantes, a fim de ver o que restou da reforma, mas a Record dificultou o acesso a elas - a assessoria de imprensa propôs intermediar perguntas via e-mail. Não era o caso.JOGO DOS 7 ERROSQuem já viu a série londrina 10 years younger (10 Anos mais Jovem), que ganhou versão americana no Discovery Home&Health, pode achar que A Verdadeira Idade é versão autorizada daquele formato. Não é. No Brasil, os direitos pelo 10 Years Younger foram comprados pelo SBT.Apesar disso, A Verdadeira Idade empata com o outro nos seguintes termos:Anônimos são entrevistados nas ruas para indicar a idade da candidata, antes e depois da reforma.A candidata é submetida aos mesmos profissionais: dentista, estilista, dermatologista, cabeleireiro e maquiador."Desconheço o formato. Em nenhum momento nos espelhamos no programa", garante o diretor Carlos César Filho,que só aceitou falar via e-mail.Já o diretor de externas, Carmona, admite que "é uma mistura de programas da TV a cabo, com um toque brasileiro". "Tem mais emoção", diz. Para ele, a edição da Record é bem diferente, além de haver a parte de utilidade pública. "Os profissionais dão dicas de saúde que qualquer um pode fazer em casa", defende-se.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.