Elizabeth Weinberg/The New York Times
Elizabeth Weinberg/The New York Times

Protagonista da série 'Stranger Things', Winona Ryder se mostra intensa em nova fase da vida

Atriz fala do período de distanciamento e da retomada da carreira

Entrevista com

Winona Ryder

Margy Rochlin, THE NEW YORK TIMES

25 Julho 2016 | 03h00

LOS ANGELES - Em um dos episódios iniciais do novo drama sobrenatural do Netflix, Stranger Things, uma mãe solteira, interpretada por Winona Ryder, se senta em um cubículo, comunicando-se com seu filho mais novo através de um emaranhado de luzes de Natal. Ele desapareceu em circunstâncias misteriosas. Para entender melhor como passar um momento estranho e com forte carga emocional, a atriz se baseou em sua própria mãe, Cynthia Palmer.

“Não tenho filhos, então minha mãe me ajudou muito”, disse Winona, 44 anos, sentada em um sofá de couro no Hollywood Roosevelt Hotel, vestindo jeans preto e uma camiseta desbotada de Leonard Cohen, que comprou em um show, em 1988. “Às vezes ligo para ela e digo: ‘Mãe, o que faria se tudo indicasse que seu filho está morto, mas você acredita que as luzes dizem que ele não está?’. E ela diz: ‘Querida, acreditaria totalmente nelas. É instintivo’.”

A pequena Winona está vigorosa em Stranger Things, gerando o que Matt e Ross Duffer, os gêmeos que criaram a série, descrevem como a essência da atriz – um ar ao mesmo tempo frágil, determinado e confiante. “Ela tem uma energia muito intensa, sim, uma imprevisibilidade, um tipo de ansiedade que queríamos utilizar”, disse Matt sobre o que inspirou os irmãos a incorporar alguns dos traços de Winona à personagem.

No fim dos anos 1980 e em grande parte dos anos 1990, a atriz, cujo padrinho era o entusiasta do LSD Timothy Leary, foi uma espécie de emblema do cool: namorou Johnny Depp e o vocalista do Soul Asylum, Dave Pirner, e inspirou uma banda punk dos anos 80 a se chamar Wynona Riders. De acordo com os Duffers, de 32 anos, a reação online ao trailer de Stranger Things, que se passa nos anos 1980, revelou uma profunda nostalgia por Winona. “São os fãs do Winona Forever, há um monte deles. Ela é um grande ícone. Certamente não foi esquecida”, disse Matt Duffer. Ele citou alguns dos maiores sucessos da atriz, incluindo dois dos filmes de Tim Burton, Os Fantasmas se Divertem e Edward Mãos de Tesoura. “Crescemos vendo os filmes dela. Esperávamos que, do mesmo jeito que queríamos desesperadamente vê-la na tela, outras pessoas também quisessem.”

Mesmo com sua aparência jovem, essa não é a primeira mãe que Winona interpreta. (No Star Trek de J.J. Abrams de 2009, por exemplo, ela teve uma pequena participação como mãe de Spock.) Mas o que Stranger Things lhe ofereceu foi o papel principal, com nuance e dimensão. “Recebo um monte de roteiros onde seria apenas a mãe”, contou Winona, demonstrando a pouca importância dos papéis ao colocar as mãos nos quadris, inclinar a cabeça e severamente dizer “Calma, criançada!”. “Aí você pensa: será que eu poderia fazer algo aí? Tem algum jeito de deixar interessante? Mas, no fim, você percebe que não.”

No auge da carreira, seria difícil imaginar Winona, duas vezes indicada ao Oscar, tendo que optar por papéis tão frágeis. Embora tenha estreado no cinema aos 15 anos, em A Inocência do Primeiro Amor, na verdade foi seu primeiro papel principal na comédia de humor negro de 1989, Atração Mortal, em que faz uma garota popular que decide conturbar radicalmente a ordem da escola, que deu início à sua longa série de sucessos.

Na década seguinte, ela parecia estar por todos os lados, de preciosidades do cinema indie como Uma Noite Sobre a Terra, de Jim Jarmusch, até Celebridades, de Woody Allen, e o drama do século 19 de Scorsese, A Época da Inocência. Então, em 2001, Winona foi presa e depois condenada por roubar cerca de US$ 5.500 em artigos da Saks Fifth Avenue, em Beverly Hills, Califórnia. Também tinha consigo oito drogas farmacêuticas, incluindo Demerol, Vicodin e Percodan. Foi condenada a três anos de condicional, terapia e 480 horas de serviço comunitário. Embora continuasse a trabalhar, a atriz deixou de ser o centro das atenções. Mesmo tendo sido uma situação humilhante naquela época – as imagens da câmera de vigilância da loja foram muito vistas no YouTube – hoje ela vê um lado positivo em tudo.

“Acho que para mim, pessoalmente, dar essa desaparecida foi bom para a minha alma e tudo mais. No fim das contas, vejo como algo que abriu as portas para que eu saísse dessa. Tudo o que eu fazia era atuar.”

Winona foi para San Francisco, onde cresceu e possui uma casa, para ficar perto de seus pais e muitos amigos. Ela estava em um relacionamento com Scott Mackinlay Hahn, um dos fundadores da marca de roupas Loomstate. Durante a conversa, foi um tanto evasiva, muitas vezes mudando de assunto de repente ou não terminando as frases, mas, ao refletir sobre as consequências do escândalo, não se desviou.

“Olha, acho que vou estar sempre associada a isso. Definitivamente, mas, no grande esquema das coisas, aquilo não foi exatamente o crime do século.”

Ela também disse que a estagnação da carreira coincidiu com sua chegada aos 30 anos, uma idade que parece fazer “expirar a validade” de muitas atrizes de Hollywood. “Fui de adolescente complicada para pequenininha e magrela até ninguém mais saber o que fazer comigo”, disse, acrescentando que só em 2010, quando Darren Aronofsky a escalou para ser uma bailarina fracassada em Cisne Negro, que as coisas voltaram ao lugar. “Senti pela primeira vez em muito tempo que as pessoas realmente reagiam a mim. Foi libertador, porque eu representava alguém com minha idade. Em minha mente, e acho que para um monte de pessoas, isso realmente ajudou. Foi um tipo de formatura.”

Hoje, porém, com a nova série, talvez uma sequência de Os Fantasmas se Divertem e sua aparição como o novo rosto da linha de cosméticos de Marc Jacobs, há a sensação de que ela está voltando a entrar nos eixos, caso as carreiras de estrelas clássicas de Hollywood sejam alguma indicação.

“Adoro assistir a filmes antigos e li um monte de autobiografias. Aparentemente, Bette Davis e uma série de atrizes também tiveram dificuldade quando passaram dos 30 anos.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.