Acervo Fábio Porchat
Acervo Fábio Porchat

Porchat chega a Portugal com novo stand-up e refaz roteiro de Saramago

Humorista vai levar espetáculo a 6 cidades portuguesas e está percorrendo o país para refazer passos do escritor em livro

Fabiana Seragusa, Especial para o Estadão

09 de fevereiro de 2022 | 05h00

Fábio Porchat vestia uma camisa da seleção portuguesa de futebol na primeira vez em que apareceu na televisão brasileira, durante uma rápida participação no Programa do Jô (Globo), há exatos 20 anos. A escolha foi totalmente por acaso, já que ele colecionava camisetas de vários times, mas hoje em dia a sua relação com o país lusitano é para lá de especial. 

Neste mês de fevereiro, o artista realiza sua primeira turnê por Portugal com a estreia mundial de O Novo Stand-up de Fábio Porchat, que passará por seis cidades até o dia 18, com muitas sessões tendo ingressos esgotados – incluindo uma na casa de eventos Campo Pequeno, em Lisboa, com capacidade para 7.500 pessoas. Ao todo, 18 mil ingressos foram colocadas à venda em todo o país. 

“A primeira vez que vim a Portugal foi em 2013, e tomei um susto com a repercussão, não imaginei que eles fossem tão fãs do Porta dos Fundos e nem que soubessem quem eu era”, conta Fábio, que diz ter feito sua última apresentação por lá em 2015. “Não posso (ficar tanto tempo sem fazer show), é um país tão especial, onde tenho um público tão fiel assim, que me assiste, consome. É bom estar de novo aqui, estar perto deles e poder ampliar o raio.”

Dessa vez, o apresentador de Que História É Essa, Porchat? (GNT) vai contar em cena detalhes de seus próprios perrengues, vividos em algumas das viagens pelos 51 países que visitou. Safári na África, massagem na Índia e dor de barriga no Nepal são alguns dos causos que prometem fazer rir no novo stand-up, que chega ao Brasil em abril, em Niterói.

“Esses shows, mais o documentário que estou gravando, são parte de um planejamento para ter mais e mais projetos por aqui”, diz o artista, referindo-se à série de TV sobre José Saramago, da qual está à frente. Ele foi escolhido para reproduzir os passos feitos pelo escritor durante a realização do livro Viagem a Portugal, lançado em 1980 e reeditado agora para a celebração do centenário de nascimento do Prêmio Nobel de Literatura, em novembro de 2022.

Na obra, que ganhou anotações pessoais e fotos tiradas pelo próprio autor durante as andanças, Saramago percorre o país de norte a sul compartilhando crônicas, narrativas e recordações sobre cada um dos locais.

Porchat conta que foi escolhido pelo produtor Ivan Dias para protagonizar o projeto pelo fato de ter uma visão de fora e, claro, também por ser conhecido do grande público. “Ele não queria um português para fazer isso, queria alguém que tivesse um olhar fresco sobre Portugal, que se surpreendesse, que tivesse o carinho de alguém que vem de fora do país. Ele chegou ao meu nome, fez o convite e eu o aceitei prontamente.” 

Já foram mais de 100 aldeias, vilas e cidades visitadas, conta o humorista, que conversou com o Estadão chegando a Leiria e com a previsão de passar por Caldas da Rainha e Óbidos em seguida. “Faltam muitas cidades, ainda vou para o Algarve (extremo sul do país), não terminei o livro ainda, digamos que falta o terço final para conhecer”, explica.

“É impressionante conhecer a fundo esse país que, se comparado ao Brasil, embora de menor tamanho, exibe muita pluralidade, com pessoas queridas e acolhedoras. O que mais me marcou foi como o povo português é receptivo, carinhoso, simpático e como fui bem-recebido nos lugares pelos quais passei.” A série documental produzida pelo canal RTP está programada para estrear em setembro deste ano. 

Além de experimentar novos ares e ter contato com diferentes tipos de público, o artista brasileiro que se apresenta fora do País tem a oportunidade de perceber o valor dado à cultura lá e cá, comparando incentivos do governo e participação do público.

“A gente vive um momento de demonização da cultura no Brasil, como se os artistas fossem inimigos do povo, uma coisa que esse governo tentou implementar até com algum tipo de eficácia”, diz Porchat. “Em Portugal, a cultura é valorizada, apoiada”, e completa destacando sua percepção de que toda a Europa e a maioria dos países do mundo subsidiam sua cultura e sua arte, com cinema, teatro, séries.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.