Por dentro de uma mente angustiante

Curta francês abusa dos efeitos especiais para mostrar a luta de um [br]homem contra o TOC

Gustavo Miller, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2009 | 00h42

Ele - não sabemos o seu nome - sofre de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Assim como Jack Nicholson em Melhor Impossível, não pisa em rachaduras. Desde criança, ao caminhar na calçada, dá pulinhos para que seu pé não toque na divisão dos ladrilhos. A cada pulo, conta 1, 2, 3... Essa é a sinopse do ótimo curta Dix ("Dez"), do coletivo BIF. Ele, hoje adulto, tenta se livrar de sua síndrome com a ajuda de um psicólogo. Quase não há diálogos e entramos dentro de seus maiores medos. A cada tentativa de superar o TOC, um show de efeitos especiais entra na tela: calçadas explodem, seu corpo é retalhado... Angustiante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.