Politicamente incorreto é moda

Em Saving Grace, a nova série da Fox, o anjo que apareceu para salvar Holly Hunter terá muito trabalho pela frente. A detetive Grace é completamente politicamente incorreta. Ela bebe, ofende, xinga, faz sexo casual, agride... E é mais uma personagem complexa nessa safra de anti-heróis que invadiu os seriados. Na Sony, o maior exemplo é o professor White (Bryan Cranston), de Breaking Bad, que, de pacato cidadão se transformou em produtor de drogas, traficante e assassino. Fora os ataques de fúria que sempre rendem boas cenas - não há como não vibrar quando o professor explode o carro de um playboyzinho chato. As atitudes de Grace também são completamente humanas. Dar um soco na cara de um ricaço folgado não é assim tão condenável... Até mesmo Lucy Spiller (Courteney Cox) está mostrando seu lado mais doce em Dirt. Tá, doce é exagero! A série do People + Arts revela o lado mais podre de todos os personagens. Há uma cena pior que a outra em seqüência, para delírio do público. Quer dizer, daqueles que não têm restrições de temas e possuem estômago forte. Mas dá para ver que Lucy tem suas razões para ser tão durona. Assim como a Patty Hewes de Glenn Close, em Damages, do AXN. A atriz disse ao Estado que entende as questões que envolvem as personagens más que já interpretou em sua carreira - exceção de Cruela, de 101 Dálmatas, que era, sim, uma vilã. Glenn compreende Patty e, tenho certeza que, no início da série, muita gente torceu por ela. Eu torci por ela e torço por todos esses personagens acima. Isso não faz de mim má pessoa, certo? Ah, gente, dá um desconto... É ficção!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.