Pode colocar a culpa na Madonna

Ação e tiroteio - Em RocknRolla, Guy Ritchie retoma o estilo [br]que o tornou famoso no final dos anos 1990

Gustavo Miller, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2009 | 02h07

A Madonna que me perdoe, mas quem se deu bem com o seu divórcio não foi o tal Jesus Luz. O agraciado pelo rompimento foi o próprio ex-marido de Madge, o diretor Guy Ritchie. Além de levar para casa uma bela bolada, o inglês também mostra que é longe da estrela pop que faz o seu melhor cinema.

 

Nonsense: diálogos regados de humor britânico são o ponto forte

Em RocknRolla - A Grande Roubada, ele volta a ser aquele cineasta de Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes (1998) e Snatch - Porcos e Diamantes (2000), com o estilo videoclipe de cortes secos, edição ligeira e trilha sonora vibrante.

Como em seus dois filmes mais famosos, Ritchie joga mais uma vez no time que gosta: o submundo do crime londrino. Na história, um milionário russo está prestes a fechar uma negociação de grandes cifras. Golpistas de todos os tipos, como um chefão do crime, uma contadora sexy e alguns pés-rapados, querem melar a transação e roubar os milhões envolvidos. Nasce aí um conflito entre a velha e a nova escola do crime.

Nesse ínterim, tome momentos regados a drogas, bebidas alcoólicas e sacanagem... É o estilo de vida glamouroso de um autêntico "rocknrolla". A história, cheia de reviravoltas, não chega a ser lá grande coisa. Ritchie, que também assina o roteiro, conquista mesmo é nas cenas e nos diálogos, ágeis e cheios do humor britânico. Vide a ótima cena de sexo entre Gerald Butler e Thandie Newton, que curiosamente não mostra nada de.... Sexo!

 

RocknRolla - A Grande Roubada

Diretor: Guy Ritchie

Elenco: Gerald Butler, Tom Wilkinson

Duração: 114 minutos

Ano: 2008

Preço: R$ 44,90

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.