Divulgação
Divulgação
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Pedro Bial participa da ficção, no mesmo papel do 'Big Brother'

Autores e equipe técnica tomaram aulas sobre o gênero com a turma do 'BBB'

Cristina Padiglione, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2015 | 05h00

Pedro Bial, o mais popular mestre de cerimônia de reality show do País, emprestará ainda mais confusão à cabeça do telespectador, ao exercer o mesmo papel na série Supermax. É ele quem saúda os competidores que se apresentam ao reality show no primeiro dia de confinamento. A interferência do Big Brother no enredo não se restringe à presença do jornalista. Autores, diretores e outros membros da equipe fizeram demorado curso com o pessoal do BBB sobre todo o processo do reality de confinamento mais famoso do mundo. E ficaram fascinados com os critérios que norteiam a seleção dos candidatos e das provas propostas durante o programa. A série, afinal, também terá suas provas.

“A gente teve a honra de conviver com os caras do Big Brother, aquilo é de uma sabedoria, é maravilhoso”, fala Fernando Bonassi. Aquino completa: “Você não imagina o que é viajar pelo Brasil pra recrutar candidatos e conversar com 30 pessoas que vêm a você dizendo uma razão pela qual ela gostaria de estar lá. E é aí que vem a escolha, porque, ao contrário do que a gente pensa, as mecânicas são inusitadas. Eles começaram a contar como selecionam as pessoas e eu achei incrível.”

A dupla teve de adequar as provas ao fato, nada comum, de que seus candidatos estão, afinal, dentro de um presídio. Fora isso, ambos fizeram um mergulho nos mais diversos formatos de reality show produzidos mundo afora. Encontraram propostas impensáveis, como um programa no Egito pré-guerra que promovia a simulação de atentados da Al Qaeda a ônibus lotados de turistas alemães, no caminho do aeroporto ao hotel. “E gravavam a reação das pessoas desesperadas”, conta Bonassi. “Tem coisas inacreditáveis, encontramos de tudo, a humanidade é assombrosa”, endossa Aquino.

“Nós quisemos brincar com o seguinte: num primeiro momento, todo mundo tem que competir com todo mundo. Afinal, ‘estamos aqui por 2 milhões’, é a ideia deles. ‘Então, não sou seu amiguinho, se eu puder, vou te derrubar’. Com essa mudança em que o reality deixa de existir, essas relações vão se modificar também. De repente, o importante é sobreviver. Começam a acontecer coisas inexplicáveis”, completa.

Supermax terá formato semanal e, mesmo antes de ganhar data de estreia, será alvo de uma edição em HQ na ComicCon Experience, evento de cultura pop que atrai fãs de games, HQ e seriados, realizada na próxima semana, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.