Parece Hillary Clinton, mas não é

Cherry Jones é a nova presidente eleita dos Estados Unidos em 24 Horas. O público acompanha Allison Taylor no dia de sua posse ao longo do longa Redemption. Na 7ª temporada da série, ela já será a presidente Taylor. Cherry conversou com o Estado em Nova York. Seu visual lembra Hillary Clinton. É proposital?Não. Meu cabelo é mais longo (risos)! Brinco falando que sou um cruzamento de Eleanor Roosevelt, Golda Meir e John Wayne. Esse é mais meu presidente... Fico pensando que, embora não seja Hillary Clinton, seria interessante ver que tipo de diálogos os roteiristas desenvolveriam se a gente tivesse estreado no meio das prévias eleitorais. Seria divertido. Como você se sente sendo presidente mulher dos EUA? Estou orgulhosa em entrar numa fila longa de mulheres presidentes. Mas eles (roteiristas) não tinham outra escolha a não ser colocar uma presidente mulher na temporada. Depois de dois presidentes afro-americanos e alguns brancos, quem mais poderia continuar a vanguarda? Só se fosse transexual (risos)!Taylor é democrata ou republicana? Não há dicas... Não posso responder a isso, pois eles são espertos em manter o mistério. Mas acho que as decisões políticas dela são, provavelmente, democratas, mas o cabelo é definitivamente republicano (risos)... O que você pode adiantar sobre a 7ª temporada? Nada... Mas posso dizer algo como a atriz que interpreta a presidente. Toda vez que o telefone toca ou a porta é aberta, o dia fica pior. Você encena sabendo muito bem que três episódios mais tarde tudo será pior. Como sustentar esse nível de intensidade? Meu maior guia para interpretar Taylor é Jack Bauer. Ele é um bom modelo, tirando a tortura e a presidente é contra! Isso cria uma tensão entre eles. Você acha que Taylor vai ser amada como Palmer (Dennis Haysbert)? Não, porque acho mais difícil estar no topo quando você é mulher. Mas não espero que Taylor seja amada. Nem tenho certeza se as pessoas ao menos gostarão dela. Mas espero mostrar humanidade suficiente para que as pessoas a respeitem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.