Para elas, 60 é o novo 50

Mulheres que se recusam a envelhecer disputam a herança de um milionário charmoso em 'Cinquentinha'

Alline Dauroiz, O Estado de S.Paulo

05 de dezembro de 2009 | 16h00

.

VIÚVAS PRA FRENTEX - Marília Gabriela (Mariana), Maria Padilha (Leonor), Susana Vieira (Lara) e Betty Lago (Rejane): autor se inspirou na personalidade das atrizes para criar personagens

 

Susana Vieira e Marília Gabriela representam bem o perfil de mulher que o autor Aguinaldo Silva pretende retratar a partir desta terça-feira (às 22h40), data em que estreia Cinquentinha, sua nova minissérie na Globo. Bem-sucedidas e adeptas de todo tipo de tratamento de beleza, as atrizes já passaram dos 60 (Susana tem 67 anos e Marília, 61), mas se recusam a pensar que chegaram aos 50. Além de ainda trabalharem, divertirem-se e, claro, terem vida sexual ativa (no caso da minissérie, bem ativa) com homens mais jovens.

 

Veja também:

linkAguinaldo Silva: 'Sou um autor conservador'

 

Participantes da geração que encabeçou a revolução sexual, essas mulheres estão por toda parte e até são representadas na TV por algumas personagens. Poucas, no entanto, tornaram-se protagonistas.

 

"Nossa população está envelhecendo, e envelhecendo no século 21: com recursos, possibilidade de expressão e uma liberdade que outras gerações não tiveram", diz Marília Gabriela. "Acho corajoso da parte do (autor) Aguinaldo Silva, do (diretor) Wolf Maia e da Globo assumirem essas mulheres que somos em um veículo que, definitivamente, é feito para a beleza e para a juventude."

 

Aguinaldo, que costuma escalar atrizes maduras para papéis de destaque em suas novelas, explica: "Estou com 65 anos e tenho várias amigas ‘cinquentinhas’. Já era hora de contar essa história."

 

Pensando nisso, assim que a novela Duas Caras acabou, em maio do ano passado, o autor tratou de convocar sua trupe de atores para a empreitada. A princípio, o quarteto principal seria formado por Susana Vieira, Marília Gabriela, Marília Pêra e Renata Sorrah. Depois que Renata e Marília Pêra desistiram de entrar para o elenco, Betty Lago, de 54 anos, e a caçula, Maria Padilha, de 49, foram convidadas para os postos de protagonistas.

 

Para compor as viúvas rivais da minissérie e apimentar a trama de comédia, Aguinaldo resolveu se inspirar na personalidade das atrizes, características que, por si só, já rendem notas na imprensa e perseguições de papparazzi. O fato, porém, não agradou a todos. Em agosto, na primeira coletiva de imprensa para apresentação de elenco, Susana questionou o autor. "Não será uma obra da nossa vida, senão o Aguinaldo teria de nos pagar o direito pela história. Explique-se, Aguinaldo." E o autor brincou que qualquer semelhança com a vida real será mera coincidência.

 

Assim, a personagem de Susana se transformou em Lara Romero, famosa atriz de televisão, diva de temperamento difícil, que acaba desempregada.

 

Marília Gabriela, ao contrário de Susana, vê e até gosta das semelhanças entre ela e a personagem Mariana Santoro, fotógrafa louca por um homem mais jovem. "Ela é uma profissional bem-sucedida, dona do seu nariz... e gosta de garotos. Você sabe que esta é uma característica bastante minha (risos)", lembra a atriz.

 

Já o papel de Betty Lago, a ex-hippie Rejane Batista, foi pensado para Renata, passado para Marília Pêra e só chegou às mãos de Betty depois que as gravações começaram. Inicialmente, Betty viveria a quarta cinquentinha, papel que ficou com Maria Padilha.

 

Longe das novelas desde 2007, quando fez uma ponta em Paraíso Tropical, Maria é Leonor Bergantini, a vilã da trama. "Ela não chega a estar na turma das cinquentinhas, é a antagonista", explica Maria. "Sei que o papel seria da Betty, mas quando eu li a sinopse, achei que parecia escrita para mim. É meu estilo de humor e adoro fazer vigarista (risos)."

 

A confusão que vai se instalar nos oito capítulos de Cinquentinha parece ter respingado na produção da minissérie. Desde que a Globo anunciou o projeto, vários percalços aconteceram. De seriado que estrearia em outubro, a trama virou minissérie. O atraso no lançamento pode ter ligação com as várias baixas no elenco. Tarcísio Meira estava cotado para o principal papel masculino, o milionário Daniel. E, depois da saída de Renata Sorrah, Marília Pêra chegou a gravar cenas, mas saiu do projeto sem explicação. Especulou-se que o fato de o autor privilegiar as cenas de Susana teria desagradado a atriz.

 

"São questões técnicas que acontecem em qualquer produção", justificou o diretor, Wolf Maia.

 

POLITICAMENTE INCORRETO

Na trama, o milionário Daniel (José Wilker) está à beira da morte e arma um plano para dividir sua herança entre as três ex-mulheres e os filhos. Pelo testamento, as ex-mulheres e inimigas Lara, Mariana e Rejane terão de se juntar para administrar seus negócios em crise e fazê-los prosperar. Em um ano, quem se sair melhor na missão ficará com 50% da herança, "cinquentinha" do patrimônio (daí, conta do autor, veio a ideia do título).

 

Leonor entra na corrida pela grana, quando descobre que seu marido, um conde italiano, morreu falido. Ela então volta ao Brasil para revelar que também teve filho com Daniel.

 

Paralelamente à farsa, haverá outras histórias. Mariana, por exemplo sofre a ira do neto, Gabriel (João Pedro Zappa), que pega a avó na cama com o melhor amigo dele, Eduardo (Rafael Cardoso). Rejane também passa por maus bocados por causa da neta, Vanessa (Tatyane Goulart), que começa a namorar o traficante Olhão (Fabrício Santiago).

 

"Os filhos vivem à sombra das mães e são os netos que vão contestá-las", adianta Aguinaldo. "Quero falar de preconceito – contra a mulher, de idade, de classes sociais. E sem aquela história do politicamente correto, de chamar anão de ‘sujeito verticalmente prejudicado’."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.