Os heróis não são mais os mesmos

Universal estréia nesta sexta-feira o 2.º ano de Heroes, que passa bem longe da ótima 1.ª fase

O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2008 | 00h02

O telespectador pode até se empolgar com os dois primeiros episódios da 2ª temporada de Heroes, que o Universal estréia nesta sexta-feira, dia 11, às 21 horas. Mas, depois, tudo se transforma em uma grande confusão. A quantidade enorme de mutantes atrapalha a trama e o público se perde. Apesar de tudo isso, quem é fã dos heróis, não vai deixar de assistir à série. Vício é assim. Heroes é como Lost e, não importa quão absurda é a história, todo mundo quer saber como ela vai terminar.Os dois primeiros episódios dessa nova safra, intitulados Four Months Later e Lizard, mostram os heróis após a explosão. Hiro Nakamura ainda procura Takezo Kensei no Japão do século 17 e encontra uma surpresa, mais um mutante. Claire e sua família iniciam uma vida nova e a menina tenta ser normal e ficar longe dos problemas, mas esbarra em um novo personagem, também mutante. O Haitiano volta à trama. Os irmãos Nathan e Peter Petrelli estão separados. Nathan acredita que Peter está morto, mas o caçula da família não morreu. Peter perdeu a memória e se envolveu em uma confusão na Irlanda. A mãe dos heróis, Angela, é ameaçada de morte.Em Nova York, mais uma profecia de Isaac Mendez se concretiza. Kaito, pai de Hiro, é morto e Noah vê a cena do crime no único quadro que possui de Mendez e decide ir atrás das outras sete pinturas. Além do novo amigo de Claire, outros dois mutantes são apresentados ao público: eles são os irmãos Maya e Alejandro e estão em Honduras. Difícil é captar quais são os poderes dos gêmeos...

Tudo o que sabemos sobre:
séries

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.