'Os 50 são a década mais revisitada'

Os anos 50 são uma fonte inesgotável de inspiração para estilistas contemporâneos, principalmente quando a intenção é valorizar a figura feminina. "Foi uma moda de elementos muito fortes e, no clima do pós-guerra, tudo era muito colorido, animado", observa a estilista Patrícia Grejanin, da Laundry, grife paulistana que não passa sem uma cinturinha marcada ou um vestidinho navy.A cintura de vespa que as coleções usam hoje para remeter à feminilidade foi questão de honra nos anos 50 - por isso, passou para a posteridade como uma referência tão forte. "A cintura era uma grande preocupação. Quem não tinha, precisava dar um jeito. Lembro de uma amiga sofrendo, coitada, apertada numa cinta de borracha. Era rosa, um horror", lembra a atriz Lolita Rodrigues, 79 anos e uma das mulheres mais bonitas de sua geração.Longe dos sacrifícios de antigamente, Patrícia compõe produções que misturam o que havia de mais delicado nos anos 50 com pesadas referências punks. Assim, tornou-se a estilista preferida das pin-ups modernas - as dolls -, que fazem jogo de mostra-esconde nas ruas de São Paulo. "Tenho sempre algo com cintura marcada, que hoje aparece com força nos editoriais de moda", diz a estilista. "E, nas coleções de verão, tenho sempre algo navy."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.