Orson Welles, genial e sempre maldito

A Marca da Maldade. No Telecine Cult, às 22 horas. Reprise, preto e branco, 111 minutos

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2009 | 22h30

Orson Welles mantém, intacta, a fama de ser um dos gênios do cinema mas, mesmo com tamanho reconhecimento, muitos de seus filmes não escaparam à impiedosa tesoura dos produtores, que retalharam seu trabalho pensando apenas no mercado. Foi assim com uma obra-prima, A Marca da Maldade, que o Telecine Cult exibe às 22 horas.O filme é ambientado na fronteira entre os Estados Unidos e o México, onde um policial da divisão de narcotraficantes (Charlton Heston) opõe-se a um tira aparentemente corrupto (Welles). Movido por bons propósitos, no entanto, o policial acaba usando os métodos do adversário quando se trata de defender sua mulher (Janet Leigh). A trama é apenas um instrumento para Welles exercitar sua incrível capacidade de contar uma história.Basta lembrar a primeira sequência do filme, já antológica: em um enorme plano, o diretor já apresenta alguns personagens mas de uma forma oblíqua, ora focando em cada um deles, ora buscando suas sombras. Por fim, a enigmática figura de uma cartomante, vivida por uma arrasadora Marlene Dietrich.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.