Operação de Risco bate CQC até pelo dobro

Cristina Padiglione,

29 de novembro de 2010 | 01h00

Programa cultuado como rara opção de vida inteligente na TV aberta, o CQC se habituou a perder do "reality" show Operação de Risco, que lhe faz pouco mais de meia hora de concorrência toda segunda-feira, mas bem no início do programa. A missão dos Homens de Preto tem sido reduzir essa derrota, que nas duas últimas edições lhe rendeu metade do público sintonizado na RedeTV!. No dia 15, Operação obteve 6,48 pontos, ante 3,6 do CQC (das 22h13 às 22H48). Na semana passada, a derrota (22h14 a 22h52), foi de 2,69 para 6,67 da Rede TV!, que tinha 10,89% dos televisores ligados no horário, ante 4,4% da Band. Cada ponto equivale a 56 mil domicílios na Grande São Paulo.

Coitadinha da Anita

Ostentando perucona para ser Dalila na minissérie que a Record põe no ar em janeiro, Mel Lisboa faz cara de ai-que-nojo para o assédio de Camilo Bevilacqua, que na história vive seu padrastro.

US$ 28 milhões

É o valor que Reynaldo Gianecchini desviou em Passione. É a inflação na corrupção: em Vale Tudo (1989), Reginaldo Faria dava sua banana por US$ 800 mil

 
 

‘Vou fazer Guerra dos Sexos com Silvio de Abreu’

Promessa de Jorge Fernando em entrevista gravada a Marília Gabriela para o canal GNT: no ar domingo próximo

A Globo desmente o que fontes seguras dão como certo: que Boninho, diretor responsável pelo Big Brother Brasil, foi repreendido pela direção da casa após declarar no Twitter que tudo estará liberado no BBB 11, incluindo “porrada” e (mais) álcool.

Para todos os efeitos, a assessoria de imprensa da Globo informa que o BBB11 terá as regras de sempre.

Na Itália, o must da Endemol, criadora do Big Brother, já é outro e tem final anunciada para hoje, na RAI 3: Vieni Via Con Me bateu todos os recordes de audiência do canal, com 9 milhões de espectadores na estreia e 10 milhões na segunda edição.

Autor de Gomorra, o livro que deu origem ao filme sobre a máfia napolitana, Roberto Saviano é o principal apresentador do Vieni Via Con Me e se dá ao luxo de protagonizar longos monólogos sobre temas que jamais seriam discutidos entre as paredes do Grande Fratello (o Big Brother local), como máfia e Berlusconi. Vale uma visita ao Youtube.

A Record rufa tambores pela audiência de seus filmes na Super Tela, exibidos na virada da quarta para a quinta-feira, que bate a Globo no Ibope há oito semanas. A vantagem da Record foi de 11 a 10 na média de outubro, e de 12 a 10 em novembro, na Grande São Paulo.

E a GloboNews avisa que sua audiência média cresceu em dez vezes com a cobertura da operação policial iniciada pela Vila Cruzeiro, no Rio. O canal bateu todos os recordes, incluindo aí o resgate dos mineiros no Chile, eleições e caso Bruno.

Palmeirense que emocionou todos os câmeras com suas lágrimas, no jogo da última quarta-feira, o garoto Eduardo Keini, localizado pelo repórter Vinicius Nicoletti, da ESPN Brasil, visitou a sede do canal no Sumaré, após ter sido levado ao encontro do próprio Felipão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.