Onde os cafonas não têm vez

Ti-Ti-Ti: Clássico dos anos 80 volta a ser novela das 7, remixado com Plumas & Paetês e em versão atualizada do universo da moda: agora Jacques Leclair reina na zona leste

Alline Dauroiz, de O Estado de S. Paulo,

17 de julho de 2010 | 16h00

Luis Gustavo, o Victor Valentin da 1ª versão de Ti-Ti-Ti, faz participação breve como Mário Fofoca, seu papel em Eles por Elas (82), também de Cassiano Gabus

 

Se hoje costureiro é estilista, manequim virou modelo e os antigos ateliês de moda foram preteridos pela produção em escala, será que ainda há lugar no mundinho fashion para Jacques Leclair e Victor Valentin, costureiros criados em 1985 pelo autor Cassiano Gabus Mendes e inspirados em Dener e Clodovil? Quando a autora Maria Adelaide Amaral decidiu fazer o remake da novela Ti-Ti-Ti - que estreia nesta segunda, 19, na faixa das 19h, na Globo -, recorreu às amigas do meio e resolveu situar a competição de estilo no segmento de vestidos de festa/noivas, que não conhece crise.

 

Além da rixa entre estilistas, duas tramas de Plumas & Paetês (1980/81) outra novela de Cassiano, serão aproveitadas: a de Marcela (Ísis Valverde) e Rebeca (Christiane Torloni). Mas aos saudosistas que acompanharam as originais, um aviso: a história foi modificada e personagens foram criados.

 

Vividos nos anos 80 por Reginaldo Faria e Luis Gustavo, Leclair e Valentin serão representados por Alexandre Borges e Murilo Benício, respectivamente. "É uma novela que não tem mocinho nem bandido. São dois mocinhos que se odeiam", diz Murilo.

 

Picareta de tudo, Valentin, na verdade, é Ariclenes, desafeto de André Spina, o Jacques Leclair, desde criança,época que viviam no Belenzinho, zona leste de São Paulo. Quando ganha na loteria, Ari se casa com a namorada, Suzana (Malu Mader), e vai para os Jardins, deixando André louco de raiva. Mas Ari perde tudo, separa-se de Suzana e sonha derrubar o rival. Quando Ariclenes topa com Cecília (Regina Braga), moradora de rua senil que faz lindos vestidos para suas bonecas, tem a ideia de copiar os modelitos e se passar pelo misterioso estilista espanhol que inferniza Leclair.

 

Para abrilhantar seu universo, André/Leclair também inventa mentirinhas para suas clientes de fino trato do Tatuapé: diz que nasceu na cidade francesa de Cholet. "Ele sonha vestir a Deborah Secco, a Carolina Dieckmann...", diz Alexandre Borges. Com talento e bom corte, mas gosto duvidoso, o estilista quer migrar para a Rua Oscar Freire.

 

Presente no primeiro capítulo, em cena de desfile, o estilista Alexandre Herchcovitch fez, a pedido do Estado, três perguntas aos ícones fictícios da moda (leia abaixo).

 

Feita sob medida para Cláudia Raia, Jaqueline também é protagonista. Ela cai na rede de Leclair (não se engane pela afetação do moço). Com bom gosto e bons relacionamentos, dá pitacos nos croquis do amado e consegue refiná-lo. "Jaqueline é louca. Foi cantora de rock, passeou nua com o marido na lua de mel em Ubatuba, foi presa, come ovo colorido no boteco. O glamour é uma capa", define a atriz.

 

Comédia rasgada, à moda Cassiano, a história promete. O cenário da moda pode ter mudado, mas o ego, o glamour e a inveja do mundinho fashion são mais atuais que nunca.

 

Três perguntas, por Alexandre Herchcovitch, estilista

 

Victor Valentin (e seu peculiar castelhano)

 

"Estoy acá en Ibiza, conmemorando la victoria de España. No sé se tu sabes, pero el uniforme de la selección es mi creación."

 

Todo estilista quando cria tem em mente uma musa. Você acha necessário ou sua inspiração vem de outro lugar?

"Las mujeres brasileñas son mis musas, con sus curvas generosas, su andar gracioso y su expresión radiosa. Por otro lado, yo también busco inspiración en las formas de la naturaleza."

 

Para que novela ou filme você criaria o figurino?

"A mi me gustaría mucho hacer los figurines para un remake de la novela Que Rei Sou Eu?. Y actualmente yo estoy a estudar un convite de Almodóvar para su próximo filme. (¡Pero, esto, por enguanto, es secreto! Jacques Leclair no puede saber)."

 

Se não fosse estilista, o que seria?

"A mi, me gustaría escribir novelas, como el grand Silvio de Abreu o el saudoso Cassiano Gabus Mendes. Así como una colección, las novelas san grandes obras de creación. Mira, señor Herchcovitch, cada capítulo es como un vestido y las actrices san como maniquís. Una exhibición es como un desfile. También se necesita un director experimentado, como, por ejemplo, el Grand Jorge Fernando y una equipe verdaderamente comprometida con la cualidad final."

 

Jacques Leclair

 

 

Na moda há muita competição, como seriam dois estilistas na mesma família?

"Realmente, o mundo da moda é muito competitivo. Hoje em dia, vários nomes buscam seu lugar ao sol. Acho que encontrei o meu (risos). Quanto a uma família com dois estilistas, acho bastante improvável. O talento é uma centelha que faísca uma vez a cada cem gerações! Não é algo que caiba num gene, é uma combinação de diversas coisas: bom gosto, habilidade, percepção, tato e, por que não dizer, olfato?"

 

Para que astro da música você criaria o figurino?

"Você acertou em cheio um dos meus grandes sonhos! Nacionalmente, gostaria muito de fazer algum figurino para o Ney Matogrosso. Tenho algumas peças inspiradas nele nos tempos dos Secos e Molhados! Agora, se formos para fora do Brasil, ADORARIA compor os novos figurinos da banda Kiss. Ainda existe? (risos). Usaria muito couro, mas combinando com um tafetá MARAVILHOSO. Penso até em apelar para a tecnologia: hoje é fácil incorporar leds em peças de roupa."

 

Já está preparando seu sucessor?

"Ainda sou tão jovem! Tenho quatro filhos, dois casais. Talvez minha filha mais velha, que cursa moda, possa ter herdado um pouquinho do meu glamour. Meu filho mais novo também é bastante sensível, quem sabe se for bem orientado? (risos)."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.