NETFLIX
NETFLIX

'O Sucessor' narra trama galega sobre o tráfico

Produzida na Espanha, série tem lances de novela, ao trazer como protagonista chefe da máfia com Alzheimer

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2019 | 03h00

Nos primeiros minutos do primeiro capítulo de O Sucessor, série espanhola disponível na Netflix, uma festa de aniversário é usada como pretexto para apresentar de forma didática todos os personagens da trama. 

Estão lá o patriarca da família, dono de um império empresarial que precisa achar um sucessor, o filho gay que é dependente químico, a filha artista que não se interessa pelos negócios, a filha bastarda que rejeita o sobrenome e o leal advogado que é tratado como um filho adotivo. 

Os vilões não deixam dúvida sobre seu caráter e falam em voz alta sobre suas tramoias. Os mocinhos não fazem concessões à pureza do caráter. Os diálogos são curtos e sem floreios. 

Basta juntar os pontos para entender o que vem pela frente: um autêntico novelão. O folhetim, porém, também pode ser apreciado pelos fãs de séries sobre narcotráfico, um subgênero que faz sucesso na indústria da tevê. 

Nemo Bandeira, o capo interpretado por José Coronado, comanda o tráfico na belíssima costa da Galícia. O cenário e o negócio são exatamente os mesmos da série Farina, inspirada na história real do impiedoso Sito Miñaco. 

A boa sacada da ficção foi diagnosticar o chefe mafioso com Alzheimer. Por mais que Nemo se esforce para esconder da família os primeiros sintomas, o avanço da doença condiciona o futuro do clã. 

A imensa costa galega até hoje é a porta de entrada perfeita na Europa para toneladas de cocaína que saem dos cartéis da América do Sul e do México. Assim como Sito, Nemo também começou pescando e ficou rico quando construiu pontes com os colombianos.

Não fosse sua deslumbrante paisagem de fundo, a fictícia comarca gallega de Oeste podia perfeitamente ser um cenário dos estúdios da Globo. 

Ao contrários de série/novelas mexicanas como Ingobernable (Netflix) ou Rainha do Tráfico (Globosat), O Sucessor é um bom produto. O elenco cumpre seu papel sem passar vergonha, há um certo respeito pela verossimilhança e investimento nas cenas de ação. 

O problema, como costuma ocorrer nesses casos, é a previsibilidade. Não é preciso de spoiler para saber os próximos capítulos. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
série e seriado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.