O show continua

Produção com requintes extras, minissérie em 9 capítulos sobre a musa da fossa estréia amanhã

Keila Jimenez, RIO, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2009 | 00h05

Por fora, o prédio do Serviço Geológico Brasileiro, na Urca (Rio), passa por restauração. Mas o homem do cachorro-quente, na porta, garante que "a Globo está lá dentro, gravando." Ao lado de uma escadaria que encantaria Hitchcock , um retrato de Franco, ditador espanhol. Trata-se do cenário de um internato na Europa, em uma gravação da minissérie Maysa, que estreia amanhã, na TV Globo. Veja também: Jayme Monjardim: 'Não é difícil filmar o próprio passado'  No vão ao lado, o diretor Jayme Monjardim tenta o melhor ângulo de sua chegada ao local. Sua, literalmente. Filho da cantora Maysa na vida real, Monjardim dirige a cena em que se despede de sua mãe no internato onde passou boa parte de sua vida, longe de todos, incluindo ela. Em foco, o filho caçula do diretor, André Matarazzo, que faz o papel do pai quando criança, e Larissa Maciel, atriz escolhida entre 200 candidatas para viver a Musa da Fossa. "Chega aqui e olha para cima, Dedé", avisa o diretor ao caçula, com a certeza de quem sabe para onde o personagem deve mesmo olhar. "Puxa esse pessoal mais para lá...", grita ao outro filho, Jayminho, que tem dupla função na minissérie sobre a avó: é assistente de direção, e interpreta o pai na fase jovem.Monjardim conversa muito com Larissa, que impressiona pela semelhança com Maysa. Linda e melancólica como em uma foto da cantora no laptop do filho. "Não, não é a Maysa, é a Larissa aqui", ri o diretor. Conta que perdeu a voz ao vê-la caracterizada pela primeira vez."Há sete meses respiro Maysa", retribui Larissa, enquanto Fernando Torquato (maquiador e cabeleireiro), mágico responsável por sua caracterização, lhe massageia os ombros enquanto ajustam a luz.Ah, a luz. "Alguém deixou cair algo molhado no chão". "Tira essa gente que está fazendo sombra atrás da porta". "Puxa a bolsa da repórter (no caso, a minha) para lá, que tem um reflexo estranho aparecendo". O autor das broncas é Afonso Beato, diretor de fotografia made in Hollywood. "Ele é o chato mais incrível que conheço", brinca Monjardim sobre o profissional que ele mesmo pediu à Globo para a minissérie. Para o diretor, a atuação de Beato - que já fez a fotografia de filmes de Almodóvar - é essencial, principalmente nas cenas de musicais que fecham cada um dos nove capítulos da minissérie.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.