O rato da alta cozinha francesa

É Ratatouille, desenho da Pixar sobre o roedor que vira estrela da[br]gastronomia em Paris

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2007 | 23h07

Quem diria que o cinema promoveria o improvável encontro entre um restaurante francês de cinco estrelas com um rato? É o que oferece Ratatouille, animação que a Buena Vista promete lançar na quarta-feira. Trata-se de mais um exemplar produto da Pixar e traz a história de Remy, um rato diferente: ele adora cozinhar, o que faz muito bem, mesmo contra a vontade do pai e do óbvio problema de ser um rato. Sua vida ganha um tempero especial, porém, quando descobre o restaurante de Auguste Gusteau, o mito da culinária francesa. Lá instalado, conhece Linguini, um desastrado ajudante que não sabe nem preparar um Miojo, mas que precisa manter o emprego. A parceria, portanto, é inevitável. Além do enredo bem improvável, Ratatouille tem a proeza de fazer com que a platéia, especialmente a feminina, admire um roedor azul de olhos esbugalhados. Para isso, a equipe de produção buscou o realismo e visitou antes restaurantes, onde conversou com chefs para retratar com exatidão todos detalhes da preparação de grandes pratos, desde os ingredientes certos até a forma correta de se cortar e misturar os alimentos. O resultado é um prato de primeira qualidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.