O pior melhor amigo do mundo

Baseado em best-seller Marley & Eu diverte e é um alento para os donos de cães surtados

KEILA JIMENEZ, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2009 | 20h40

Quem tem um labrador sabe: com ele, suas canelas nunca mais serão as mesmas. Ninguém é mais fiel, mais doce, mais afetuoso que aquele ser de 40 e poucos quilos - alguns chegam a mais de 50 kg - que insiste em trançar em suas pernas como um pequeno hamster. Mas também não há ninguém capaz de causar o caos completo e babar - nossa, como eles babam - mais que um cão desses. Baseado no best-seller homônimo, Marley & Eu tem como protagonista um peludo desse naipe. Na história, John (Owen Wilson) e Jenny (Jennifer Aniston) resolvem levar o labradorzinho Marley para casa a fim de testar seus dotes paternos.

Resultado: não demora para aquela bolinha de pelo virar um monstrinho pesadão, que arrebenta portas por medo de trovões, derruba paredes, baba em todas as visitas, rasga roupas de varais vizinhos e come tudo o que encontra pela frente, incluindo, joias.

Conhecidos por sua inteligência, afinal, muitos são cães-guia, os labradores também podem ser extremamente indisciplinados. Há casos em que nenhum treinador dá jeito. Marley era um desses e o filme mostra bem isso. Mas também era doce, companheiro e capaz das maiores loucuras por um simples afago na cabeça.

Inferior ao livro, que é bem mais divertido, o filme vale por conseguir explicar um pouco desse nó que é o amor sem cobranças entre cães e donos.

Mas para os de coração mole, um aviso: Marley & Eu tem fim anunciado, você sabe que vai chorar muito no final, mais do que aquele cão do vizinho à noite, em que família toda foi viajar .

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.