O mordomo do filho do banqueiro

Documentário - Em Santiago, o cineasta João Moreira Salles sai, como Proust, em busca do tempo perdido

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

01 Março 2009 | 00h18

Em 1992, o documentarista João Moreira Salles gravou cinco dias de entrevista com Santiago Batiotti, que foi mordomo da casa de seu pai, Walter Moreira Salles, na mansão da Gávea, onde hoje funciona o Instituto Moreira Salles, no Rio. Homem de grande cultura, Santiago trabalhou na casa entre 1956 e 86 e exerceu profunda influência sobre o imaginário de garotos sensíveis como João e os irmãos Pedro, Walter e Fernando. É o que se conclui ao assistir ao documentário Santiago, lançado agora para a venda pela Videofilmes. As imagens foram registradas quando Santiago já não mais trabalhava na mansão, vivendo sozinho em um pequeno apartamento. Eis o primeiro choque, o contraste entre estilos de vida. O que é ressaltado pela opção de João Moreira em transformar o documentário em uma reflexão pessoal - sobre as imagens gravadas há mais de dez anos, o cineasta não apenas questiona o próprio ofício (teria sido esse o melhor enquadramento?), como também desperta lembranças de um tempo vital em sua vida. Carregado de cenas belíssimas (como a que mostra Santiago gesticulando as mãos em sessões de castanholas), o filme já é um marco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.