Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Mike Yarish/ Netflix
Mike Yarish/ Netflix

'O Método Kominsky': o segundo ato da série de Chuck Lorre

Criador da série, que discute a questão da velhice, fala sobre sua produção e do que aprendeu com os veteranos atores Alan Arkin e Michael Douglas

Entrevista com

Chuck Lorre

Dan Hyman, The New York Times

29 de outubro de 2019 | 10h42

Chuck Lorre já foi chamado de o “homem mais mal-humorado da TV” por causa de suas batalhas com executivos de redes, atores e críticos. Ele também foi chamado de Rei da Comédia, tendo criado um seriado de sucesso após o outro desde o início dos anos 1990. Mas há um título ao qual só recentemente ele se acostumou, o de “idoso”.

“Internamente, não me vejo assim, mas garoto, eu sou”, disse Lorre, 66 anos, em uma recente entrevista por telefone de Los Angeles. “Então, eu estou enfrentando isso. É uma sensação universal do tipo, espere, o que está acontecendo comigo?”

Essa experiência é uma das razões pelas quais ele se sente tão próximo de sua comédia na Netflix, O Método Kominsky, ele disse, sobre um idoso professor de interpretação chamado Sandy (interpretado por Michael Douglas) e o divertido agente Norman (Alan Arkin), que perdeu há pouco tempo a esposa Eileen (Susan Sullivan). Além de sua amizade e história profissional, o que une os dois homens são suas lutas com os problemas muitas vezes desagradáveis (morte de entes queridos, crises de próstata), que chegam com a idade.

Antes de Kominsky, Lorre era conhecida por criar sitcoms mais tradicionais, como The Big Bang Theory, Cybill, Dharma e Greg e o novato da CBS Bob Hearts Abishola. Mas Kominsky, com sua estética cinematográfica e menos restrições - sem audiência de estúdio, sem intervalos comerciais, sem censura - ofereceu a ele uma nova experiência há muito esperada. Também ganhou um Globo de Ouro de melhor série musical ou de comédia.

Com a chegada da segunda temporada de Kominsky, que estreou na Netflix recentemente, Lorre discutiu o que aprendeu com Douglas e Arkin, porque o termo “comédia” é um nome inadequado e porque ele ainda estremece com a lembrança da saída de Charlie Sheen de Two And a Half Men/ Dois Homens e Meio. Estes são trechos editados dessa conversa.

Uma comédia de rede de meia hora tem uma estrutura de enredo comprovada, mas você não tem muito mais espaço para experimentação em Kominsky ?

Antes de tudo, não acredito que o enredo seja um fator determinante em tudo o que faço. Eu acho que o personagem é o principal ativo. Você não se lembra dos seus seriados favoritos de meia hora por causa da trama. Você se lembra deles porque ama esses personagens. Você ama Norm e Cliff, Sam, Woody e Kramer. Eu acho que é porque um personagem é uma combinação de escrita e ótima atuação. E se você tiver sorte o suficiente, encontrará o ator certo para o papel.

Não existe um enredo abrangente em Kominsky sobre como Sandy aceita o envelhecimento?

O que eu estava interessado em explorar eram apenas as minúcias de envelhecer. Não há muita trama nisso; isso é apenas a vida. Isso são apenas os princípios da natureza humana.

Entendo que esse programa, talvez mais do que outros que você criou, seja especialmente próximo de você.

Isso é verdade. Não preciso inventar isso. Em Big Bang a Teoria, estaríamos conversando regularmente com nosso consultor astrofísico David Saltzberg, da UCLA, para garantir que acertássemos a matemática ou a ciência. Eu não preciso de um consultor neste. (Risos)

Grande parte do sucesso de Kominsky dependia da química entre Douglas e Arkin. Como foi ser testemunha de sua dinâmica?

Eu realmente gosto da palavra “testemunha”. Porque é assim que me sinto. Eu tinha um assento na primeira fila para assistir a dois mestres em seu ofício. Eles abordam o trabalho de maneira muito diferente, mas ambos alcançam uma performance impressionante e sempre surpreendente. Quando você escreve alguma coisa, tem uma imagem em sua mente sobre como ela será, como será o som. E então você vai ao palco e atores como Michael Douglas e Alan Arkin leem e têm outras ideias. E eles giram de forma diferente, e um sincopado diferente, o tom é diferente. Inevitavelmente, é melhor.

Os momentos mais inspirados envolvem pouco mais do que os dois trocando farpas.

Uma das coisas que aprendi na primeira temporada é que eu realmente poderia escrever menos e fazer um trabalho melhor. Quando começamos isso, eu não entendia o tipo de poder que esses dois homens têm sobre a câmera. Um gesto, um olhar, uma sobrancelha levantada e até uma pausa da parte deles comunicavam mais que palavras. E especialmente para fins cômicos. Não era necessário um monte de palavras inteligentes.

Kominsky é seu primeiro programa que não é da rede. Essa série poderia ter funcionado na TV em rede? Ou o plano sempre foi ir para uma plataforma de streaming como a Netflix?

Isso seria possível em uma grande rede de transmissão? Eu não sei. Eu realmente nunca pensei dessa maneira. Eu queria, desde o início, ter a oportunidade de trabalhar em um ambiente diferente com uma plateia diferente. Para que eu pudesse aprender. Eu tinha uma curva de aprendizado acentuada porque fazia há décadas o público do estúdio, com abordagem de quatro câmeras.

 

Então você está dizendo que aceitou o desafio?

Eu procurei por ele. Eu queria aprender um novo truque, como diz o cachorro um pouco mais velho.

Como então devemos encarar isso em relação ao seu outro trabalho? Ou esse é o futuro do que conhecemos como comédias?

Bem, vamos dividir a palavra. Porque sitcom vem de 'Comédia de Situação'. Não há outra situação aqui além do fato de ficarmos mais velhos. E lidamos com questões de saúde, lidamos com a perda de entes queridos e lidamos com o sentimento de se sentir irrelevante e desprovido de privilégios e, até certo ponto, sem compreender as coisas à medida em que a cultura muda. Então, acho que você tem dificuldade em enfrentar essas situações. A situação é apenas vida.

Então, a sitcom como a conhecíamos está morta?

Bem, essa palavra é realmente apenas um nome inadequado. É uma anomalia. Realmente não tem mais nada a ver. A palavra de fato fez muito sentido quando um cara se casa com uma feiticeira. Ou quando um astronauta volta do espaço sideral com um gênio. Vou chamar isso de situação. (Risos) Quando um marciano está morando com você e você precisa manter em segredo – isso é uma situação. Mas passar o dia e lidar com as pessoas no trabalho, com a família, é só a vida. E a comédia da vida não é guiada pela trama. É apenas a realidade do que fazemos todos os dias. É universal. Não importa se os personagens de Big Bang a Teoria são físicos quânticos. Porque a solidão é solidão. Não importa o que você faz para viver. Medo, ciúme, os sete pecados capitais: eles existem para todos nós. Então é sobre isso que você escreve na TV. Para mim, pelo menos.

Ser publicamente destruído por Charlie Sheen em meio à sua saída de Dois Homens e Meio afetou como você vê sua própria celebridade?

Toda essa experiência com Dois Homens e Meio foi um pesadelo. Odeio cada minuto disso. Fico feliz que esteja no espelho retrovisor. Eu aprendi muito com isso. Principalmente que esse ridículo em público não mata você. Parece que pode. Mas isso não acontece. Você apenas trata dos seus negócios. Você volta e continua trabalhando. Não há mais nada a fazer. / ​TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.