Estevam Avellar/Globo/Divulgação
Estevam Avellar/Globo/Divulgação

'O humor aproxima as pessoas', diz o ator Milhem Cortaz

Em ‘O Sétimo Guardião’, Milhem Cortaz vive delegado que gosta de usar calcinha e cativa público com humor

Eliana Silva de Souza, O Estado de S. Paulo

02 Dezembro 2018 | 06h00

São muitos os personagens fantásticos criados pelo novelista Aguinaldo Silva, já vimos de tudo nesses anos em seus trabalhos. E muitos foram os casos que acompanhamos com histórias mirabolantes e enigmáticas. Sempre com um toque de muito bom humor. Claro que não deixaria de marcar mais uma trama com essa carga de drama e comédia, assim, estamos assistindo em sua nova trama, O Sétimo Guardião, divertidos e enigmáticos personagens, como é o caso do delegado Joubert Machado, vivido pelo ator Milhem Cortaz, que fala desse momento marcante em sua carreira e desse personagem, que guarda um segredo. “Gosto muito do personagem, ele é um grande presente do Aguinaldo Silva, pois ele é supercomplexo, além de ser um dos guardiões, é a autoridade da cidade, por isso tem o lado da responsabilidade, a seriedade dele, mas com um lado de humor. Acredito que ele é um homem livre, extremamente feliz”, constata.

O ator, que surgiu na telinha no começo dos anos 1990, fazendo participações em tramas da Globo e passou 12 anos na Record TV, integrando o elenco de diversas novelas e séries, ficou marcado por inúmeros personagens fortes, truculentos, violentos, em filmes como Tropa de Elite ou Carandiru. Mas ele é também esse ator que gosta de desafios, que não se intimida em aceitar surgir na tela da TV no horário nobre das 21h, na pele de um personagem que tem o costume de usar calcinhas.

“Eu encaro o Joubert não como um cara que tenha fetiche, ele não se sente bem sendo diferente, na real ele usa calcinha por questão sexual, isso é normal para ele, que se sente bem dessa forma”, diz Milhem, mostrando toda sua satisfação por ganhar esse personagem e com ele estar conquistando o carinho do público. “Acho que muito desse sucesso com as pessoas vem do humor, pois eu acho que o humor aproxima as pessoas dos temas mais polêmicos, e a maneira mais fácil de fazer as pessoas compreenderem essas coisas é pelo lado cômico”, reflete, creditando esse sucesso entre o público não apenas a seu trabalho, mas também à forma como se dá a condução da direção, encabeçada por Rogério Gomes. “Foi muito inteligente essa abordagem desse tema indo para o humor, e como o humor é um lugar novo para mim, eu estou me sentindo muito feliz por estar funcionando”, conta também.

Quem acompanha a novela, que, aliás, chegou fazendo sucesso, com esse mundo onírico e que marcou o retorno de Aguinaldo Silva a esse delicioso mundo do realismo fantástico, certamente está se divertindo com os acontecimentos e com as reviravoltas das histórias de cada personagem. E o delegado de Milhem Cortaz tem esse semblante duro, sério, mas é justamente ele que tem feito a alegria das noites e dos noveleiros de plantão. A cena em que a mulher dele descobre o segredo da calcinha foi muito boa. E teve outra em que ela só o observa dormindo, com uma bela calcinha, que para o ator tem um significado bem especial. “A calcinha mostra a liberdade de homem no século 21, esse homem que não tem medo”, explica Milhem, que diz ainda, ser a peça íntima “a metáfora de sua liberdade, mostra que ele não tem medo de ser sensível, não tem medo de ser delicado, de chorar, nem de assumir seus desejos, não ser machista, ele quer soltar as amarras, ele tem essa liberdade”.

Depois que surgiu no horário nobre somente de calcinha, o ator diz como tem sido a reação das pessoas. “Eu sei que tem homens quem têm essa tara, esse fetiche, e eu recebo muitas mensagens de homens, muitos gays, héteros, e todos que têm esse costume, alguns escondidos outros com seus parceiros, e eu tenho todo respeito por eles, que me contaram suas histórias, que muitos me emocionaram.”

Milhem enfatiza ainda esse presente que Aguinaldo Silva lhe deu. “Acho legal da parte do Aguinaldo, eu faço esse personagem para ele, de verdade, pelo carinho que ele tem por mim, por me querer, estou fazendo da melhor forma possível para ele. E todo dia quando termina a gravação eu fico pensando o que ele vai achar.” E ele conta que não sabia como era o personagem ao aceitar e que realmente passou um tempo usando calcinha para se habituar. “Como ele era um cara que usava calcinha na vida, queria que fosse o mais natural possível. Como nunca usei calcinha, pensei em passar um tempo usando para que as pessoas me vissem na TV, por mais patético que parecesse, e dissessem: ‘Nossa, como ele está à vontade’. Tinha de parecer que era uma peça que fazia parte do armário dele.”

E o ator afirma que não fez muito mais do que isso para se preparar para o papel. “Minha preparação mesmo foi meu contato com a Flavia Alessandra, que foi minha parceira, minha cúmplice nessa história toda, que me recebeu de forma generosa, aberta. Acho que não conseguiria atingir a qualidade desse trabalho se não fosse o apoio dela comprando todas as minhas loucuras.”

Milhem tem uma filha de 12 anos, Helena, e revela que a pequena não costuma ver novelas, mas que algumas de suas cenas ela viu e a reação muito o agradou. “Eu estava assistindo com minha mulher e ela estava junto. Está habituada, pois a gente brinca demais, e disse: ‘Você faz bem, né pai, você está superbem na novela’. Ela está acostumada com coxia de teatro, com cultura, eu tinha certeza que ela ia tirar de letra. Esse foi o melhor comentário.”

Mas o momento de Milhem Cortaz não se restringe à novela, a agenda do ator está cheia. Ele participou da série A Ilha de Ferro e dos filmes Cine Holliúdy 2 e Intimidade Entre Estranhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.