O embrião de um programa

Acompanhamos o processo seletivo da nova atração do Futura para 2009

Gustavo Miller, O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2008 | 23h21

Num momento em que os profissionais televisivos parecem estar cada vez mais com os olhos voltados para a internet, a fim de buscar novas idéias - amadoras - que possam ser trazidas para a TV, parece "tradicional" demais a idéia de um Pitching. Pitching, no jargão televisivo, é o nome dado ao processo que uma emissora faz para selecionar um novo programa. Só grandes produtoras de TV participam disso. "Idéia boa na internet tem de monte, mas quero ver alguém de lá ter competência para criar um programa de 66 episódios", desafia Lúcia Araújo, gerente-geral do Canal Futura. Há dez dias, o Futura realizou seu terceiro Pitching para escolher seu novo programa para 2009: que será diário, terá 66 episódios e deverá falar sobre saúde. Durante dois dias, 10 produtoras finalistas (foram 65 trabalhos enviados) tiveram de vender seus peixes para uma banca de 15 pessoas do Futura. Além de profissionais do mundo da TV, no júri também havia médicos, educadoras e até um advogado. Cada produtora teve 15 minutos para apresentar seu projeto, e o mesmo tempo para responder às perguntas da banca. "É quase um concurso público", ri Lúcia. Acompanhamos o último dia do Pitching, que contou com a participação das produtoras paulistas Panorâmica, Pequi Filmes e Mutante Filmes, e das cariocas Mixer e Luz Mágica. A Pequi foi a primeira. Um médico seminarista começa a falar sobre o que será o programa Saber Saúde. Ao fundo, uma apresentação PowerPoint exibe a estrutura da atração: terá quatro quadros fixos e formato de documentário. Logo depois é mostrado o promo, um vídeo que dá um gostinho de como será o programa, que promete abordar novas formas de medicina alternativa. Na hora das perguntas, o médico da banca diz que o nome da atração é o mesmo de um programa do governo federal. Ai! O advogado se diz preocupado com a questão dos direitos autorais e de imagem. Ao final, elogios e aplausos. A Panorâmica, com o Saúde em Ação, exibe seu promo logo de cara. Bem-humorado e com jeitão de quadro do Fantástico, o programa é apresentado por Sávio Moll, dos Doutores da Alegria. Ele, ao lado de especialistas, irá tirar dúvidas da população em plena rua. A banca questiona se o programa não é muito carioca. Lúcia justifica que o Futura tem uma abrangência grande pelo País e fala com as classes C, D e E. No fim, aplausos e elogios. A Mutante surpreende com o Sem Barreiras, que aborda o tema de acessibilidade e mobilidade reduzida. Burburinho forte entre a banca. Ao final, mais uma vez, aplausos e elogios. A Mixer não trouxe uma idéia muito clara e apostou na força do apresentador do seu Tudo Bem: o ator Luiz Carlos Vasconcelos. Lucia critica o clima cheio de metáforas e o cenário circense, algo similar ao programa Zé do Brasil, do próprio canal. "Vocês deviam assistir mais ao Futura", alfineta. Ao final, adivinhem? Por último, a Luz Mágica, apresenta o Vem de Lá, que explica, com bom humor, a origem de alguns alimentos brasileiros. No promo, o quiabo foi o escolhido. A educadora Beatriz Cardoso questiona como o programa vai falar com quem não gosta de tal produto. Já o médico reclama de terem ensinado uma receita com quiabo frito! E... aplausos e elogios. Um Pitching é bem cri-cri com o horário. No do Futura, uma jornalista era responsável por controlar o tempo. Em algumas vezes ela só faltou soar um gongo ou cortar o microfone de algum dos produtores. Quinze minutos é pouquíssimo tempo para apresentar o esqueleto de um programa com 66 capítulos. Quem melhor se aproveitou desse tempo enxuto foi a Panorâmica, ousada ao ponto de mostrar como seria um guia da programação do Futura com o seu programa já incluído. Deu certo: seu Saúde em Ação foi o escolhido.

Mais conteúdo sobre:
Futura Pitching

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.