O charme de Eli e do vampiro

Não sei o que aconteceu com a Sony. Vai ver, o canal está investindo tempo e publicidade somente na 2ª edição do Brazil's Next Top Model. E Breaking Bad e Eli Stone? Estrearam sem alarde. Uma pena. Na semana passada, comentei Breaking Bad. E hoje é a vez de Eli Stone. Afinal, ver Victor Graber, o Jack Bristow de Alias, dançando e cantando Freedom, de George Michael? Amei! Fora que o roteiro é bem bonitinho, sensível e divertidíssimo. Lembra Ally McBeal, claro, mas as alucinações de Eli são diferentes. Fora que - momento mulherzinha - sempre adorei muito Jonny Lee Miller, desde a época em que dividiu a tela com a ex-namorada Angelina Jolie em um filme péssimo chamado Hackers. Mas, veja bem, depois ele progrediu, descoloriu os cabelos e virou o Sickboy de Trainspotting. Confesso, entretanto, que ver Jonny Lee pessoalmente foi um pouco decepcionante. Ele é lindinho, mas eu esperava mais. Afinal, quanto maior a expectativa...Só falei da decepção com Jonny Lee para me retratar com uma amiga que sempre enalteceu Alex O''Loughlin, o vampiro Mick St. John, de Moonlight. Sempre detestei Buffy e Blade, então, criei essa resistência com Moonlight. Havia visto apenas o piloto quando fui entrevistar o moço e achei tudo sem graça. Ele apareceu meio tímido, com um gorro velho, óculos de grau e pensei: "É um vampiro?" Mas, ao acompanhar Moonlight, constatei: vampiros são charmosos - tirando Tom Cruise. E, pensando bem, o ar tímido do moço é bem interessante; aquele gorro dava a ele uma pinta de desencanado. E os óculos de grau? Cult e charmosérrimos! Ok, Mick, você venceu!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.