Michael Yarish/CBS
Michael Yarish/CBS

Número de personagens LGBT atinge nível recorde de representação na TV

Relatório anual sobre a diversidade na televisão identificou ao todo 329 papéis entre lésbicas, gays e transgêneros

Reuters

09 de novembro de 2017 | 17h00

LOS ANGELES - O número de personagens lésbicas, gays e transgêneros em programas de televisão dos Estados Unidos atingiu níveis recordes e a organização não-governamental Glaad disse, nesta quinta-feira, 9, que suas histórias são mais importantes do que nunca considerando os passos dados nos EUA para reverter a aceitação LGBT.

Em seu relatório anual sobre a diversidade na telinha, a Glaad encontrou 329 personagens LGBTQ fixos e recorrentes em todos os canais abertos, a cabo e em plataformas de streaming dos EUA, incluindo os primeiros personagens assexuados e não-binários. A presidente da Glaad, Sarah Kate Ellis, disse que a TV é um lugar fundamental para a representação dos personagens LGBTQ e suas vidas.

+++ Personagem LeFou será gay no novo 'A Bela e a Fera' da Disney

"Em um momento em que o governo Trump está tentando tornar as pessoas LGBTQ invisíveis, representar as pessoas LGBTQ em toda nossa diversidade em programas de TV roteirizados é um contraponto essencial que dá às pessoas LGBTQ histórias com as quais podem se identificar", disse Ellis em comunicado.

+++ Total de personagens gays em seriados nos EUA sobe 

Em julho, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que irá proibir que pessoas transgênero sirvam no Exército norte-americano. A Casa Branca também revogou a orientação de que estudantes transgêneros usem o banheiro de sua escolha em escolas públicas e o governo Trump disse que a lei federal não proíbe a discriminação contra funcionários gays.

+++ Por que o brasileiro diferencia personagens gays em obras norte-americanas e em novelas brasileiras?

O relatório da Glaad identificou que personagens fixos LGBTQ nos principais canais norte-americanos em programas como Riverdale, Empire e Designated Survivor, representam até 6,5 por cento de todos os personagens, a maior porcentagem registrada nos 22 anos de análises da Glaad.

Tudo o que sabemos sobre:
Donald TrumpTelevisãotransgênero

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.