Aimee Spinks/Netflix
Aimee Spinks/Netflix

Novo sci-fi da Netflix, 'Os Inocentes' traz amor adolescente

Série apresenta uma garota apaixonada que descobre ter o poder de transformar seu corpo no de outra pessoa

Pedro Rocha, Especial para o Estado

25 de agosto de 2018 | 06h00

Com títulos como Stranger Things, Dark e The O.A., o serviço de streaming da Netflix tem conquistado o público com histórias de ficção científica e suspense, o que causa uma certa expectativa a cada lançamento do gênero. O mais novo é a série britânica Os Inocentes, que entra em catálogo neste final de semana, com uma história que mistura sobrenatural e romance.

A série apresenta a jovem June, vivida pela atriz Sorcha Groundsell, que está cansada de passar a vida sendo superprotegida pelo pai. Por isso, decide fugir, no dia do seu aniversário de 16 anos, com o namorado, Harry, papel de Percelle Ascott. Na fuga, os dois descobrem algo sobre June. A garota é uma “shape-shifter”, alguém com o poder de transformar o seu corpo no de outra pessoa. O grande problema é que June não sabe controlar o dom, herdado da mãe, que a abandonou ao nascer.

++ ‘13 Reasons Why’ leva discussões sobre bullying e abuso para a segunda temporada

“Por causa da falta de honestidade dos pais, que nunca falaram sobre isso, ela está despreparada”, afirma Sorcha, numa entrevista por telefone ao Estado. “É traumatizante. A ideia de você perder o controle sobre o seu próprio corpo é assustadora.” O pai de June é uma figura completamente silenciosa, misteriosa e controladora, que acompanha a filha até mesmo dentro da escola.

Para Sorcha, a ingenuidade de June sobre tudo ao seu redor faz com que o processo de transformação em uma shape-shifter seja ainda mais doloroso. “Isso surge nela de forma bastante ligada ao seu estado emocional. Parece ser impulsionado pelo medo.” Mas, apesar de toda a dificuldade em descobrir quem ela realmente é, a personagem embarca numa jornada de amor ao lado de Harry, que fica ao seu lado mesmo quando a garota aparece com o corpo de um norueguês de quase dois metros de altura. 

“A reação natural seria ir contra tudo isso, mas ele escolhe continuar ao lado dela”, analisa Percelle. “Acho que a série é sobre isso, como lidamos com o amor e as escolhas que temos de fazer por causa dele.” Sorcha acredita que essa temática do amor se estende também aos pais de June. “Os pais a amam muito e querem proteger, mas acabam machucando.”

Apesar de jovens (Sorcha tem 20 anos, Percelle 25), os dois protagonistas acumulam várias experiências na TV britânica. Esta, no entanto, será a maior para os dois. “É um sentimento emocionante. Sempre quis fazer parte de uma série assim”, garante o intérprete de Harry. “Mas estou tão focado na estreia que não consigo pensar no que vai acontecer a partir de tudo isso.”

Para Groundsell, a melhor parte da experiência é trabalhar ao lado de atores consagrados, como Guy Pearce, que vive na série o principal cientista a nos explicar o que, exatamente, acontece com June. “Ter a chance de observar esse atores, ouvir o que eles têm a dizer, é um grande aprendizado.”

Apesar de ser um novo título sci-fi da Netflix, os dois acreditam que a nova série não se encaixa em nenhuma categoria. “Tivemos a liberdade para criar uma série do jeito que queríamos e só o ‘shape-shift’ já nos diferencia de qualquer produção”, opina Percelle. “Estamos felizes com o trabalho que fizemos”, completa Sorcha. 

Tudo o que sabemos sobre:
Netflixsérie e seriado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.