Novo esporte nacional: falar mal de Susana

O brasileiro é muito apegado às modas. Roupa, música, dança, barzinho e esporte são categorias voláteis, que mudam a cada ano da água para o vinho. Atualmente, o esporte nacional em moda é falar mal da Susana Vieira. Pode reparar. Lance a pergunta: "E a Susana Vieira, hein?". A pessoa à sua frente vai revirar os olhos, suspirar e soltar alguma resposta, que pode começar com a inocente "aquela lá não tem jeito" até chegar numa frase impublicável em um caderno dominical.Atriz com carreira iniciada nos anos 60, Susana Vieira (que, na verdade, é Sônia Gonçalves) tem uma respeitável folha de serviços prestados às telenovelas. Quem já pulou mais de 35 carnavais há de lembrar de Cândida, em Escalada (1975), ou de Nice, de Anjo Mau (1976). Ou ainda a sofrida Veridiana, de Os Gigantes (1979). Os mais novos devem tê-la visto em A Próxima Vítima, Fera Ferida e Senhora do Destino, onde teve alguns bons momentos - embora o sotaque "paulistano" da cantineira Ana, em A Próxima Vítima, fosse muito chato, mas a personagem era bacana.De uns tempos para cá, Susana tem sido mais alvo de muxoxos que elogios. Convenhamos, a atriz tem dado pano pra manga. Desde que descobriu o admirável mundo das revistas de celebridades, ela parece fazer de tudo para não sair delas. Conheceu o moço, namorou o moço, casou com o moço, brigou, reatou... Cada passo que dá, Susana transforma em notícia.Se publicam essas notícias, é porque Susana deve vender alguns exemplares a mais. É como Vera Fischer há coisa de 10 anos, quando tinha uma carreira que valia ouro em pó. O tempo passou, Vera continua célebre, mas já não deve vender como antes. Susana ainda está no ringue. E dá-lhe notícia sobre o quanto ela gasta com aquele cabelo esquisito ou o quanto ela sofreu com a morte do seu cão. Tudo bem, não deve ser mentira - mas que falta do que falar.Agora, Susana é novamente uma Branca. Novamente, uma vilã. E novamente Susana. E as notícias agora não tratam mais do personagem ela interpreta. Ela, em si, é a notícia. Talvez, por excesso de presença, Susana já não desperte tantos suspiros de inveja. As mulheres que antes a invejavam agora a olham de lado - e as únicas quatro que elogiam aquele cabelo cor de espiga não falam disso em público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.