Novela na terra do frango xadrez

Sempre gostei de novela. Nunca fui um especialista que nem o Mauro Alencar, da USP, ou o simpático Vagner, leitor que volta e meia manda e-mail resgatando tramas e personagens perdidos no tempo. Mas tenho cá as minhas lembranças. Também já colaborei nos diálogos de três novelas e, vendo a coisa por dentro, achei que passaria a gostar menos. Ou mais comedidamente. Qual o quê. Agora que escrevo semanalmente sobre a tal de teledramaturgia é que o gosto se firmou.Recentemente, dei-me de presente uma viagem de férias para a China. Desembarquei na terra dos mandarins e, mal entrei no hotel, liguei a TV e vibrei quando descobri vários canais com novelas no ar. Todas chinesas. E foi ali, tentando decifrar os signos comuns a toda teledramaturgia, assistindo uma novela da qual não sabia nada, nem mesmo o título, e da qual não entendia patavina... Foi nesse momento que descobri: sou um viciado! Em novelas, mas viciado.Ali, em Pequim, eu seguia a trama e me divertia com minhas deduções: a atriz de expressão lacrimosa era a mocinha; a outra, de franja impecável e olhar gélido, só podia ser a vilã. Quanto ao mocinho, bateu a dúvida, mas apostei no que tinha mais falas. Era fácil acompanhar a trama, pois as novelas chinesas investem em no máximo cinco personagens por capítulo. As cenas são curtas, ágeis, com tomadas de câmera bem criativas - e os atores são sempre os mesmos, o que facilitou bastante a minha vida. Mas eu nunca consegui ver a mesma novela em dias seguidos. Vai saber a lógica da programação chinesa de TV.Conversando com amigos que moram lá, descobri que o público chinês - ainda comunista, mas cada vez mais consumista - já sabe o que quer em TV: tramas contemporâneas, que mostrem pessoas iguais a eles. Novelas de época, nem pensar. E o governo breca toda e qualquer menção a sexo ou contestação à autoridade. Foi-se o tempo em que a nossa escrava Isaura reinava, soberana, entre chibatadas e gemidos. Quem acha que vai ver alziras no pole dance ou alguma mutante de seios fartos suando em poses sensuais, desista. Em vez disso, as tramas pequinesas mostram que os chineses também choram. E que novela vicia mesmo. e-mail: mvianinha@hotmail.com

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.