TV Globo
TV Globo

Com final feliz de trans, Gloria Perez dá passo importante na teledramaturgia em 'A Força do Querer'

No último capítulo, Gloria Perez deu destino digno a seus personagens; a prévia de audiência em SP foi de 49 pontos

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2017 | 01h26

A novela das 9, A Força do Querer, chegou ao final nesta sexta, 20, de forma grandiosa. A prévia de audiência em SP foi de 49 pontos. O receio de uma possível decepção no desfecho, depois da trajetória irretocável do folhetim, logo se desfez nas primeiras cenas do último capítulo. A cena de Simone (Juliana Paiva), filha de Silvana (Lilia Cabral), sob a mira do revólver do agiota para quem sua mãe devia dinheiro, foi de tirar o fôlego. Não só pela cena em si, mas por dois elementos primordiais: Silvana, diante do momento catártico, enfim, admite que é uma viciada, e a conexão que a autora Gloria Perez fez com um fato real. 

A polícia, liderada por Jeiza (Paolla Oliveira), chega ao local. Ela assume a negociação com o bandido e mostra que o cinegrafista que ele exigiu está desarmado. Ao se aproximar dele, o tal ‘cinegrafista’ desarma o agiota, num ato heroico, e salva Simone. Na verdade, ele era um policial disfarçado. Esse episódio remeteu a um fato que ocorreu realmente nos anos 1990, quando um policial, na mesma situação e com o mesmo disfarce, desarmou o bandido e libertou uma refém.

Outro momento de ligação entre realidade e ficção foi visto também na invasão do morro pela polícia. E enquanto Rubinho (Emilio Dantas) e Sabiá (Jonathan Azevedo) disputavam o comando do local, Jeiza capturou os dois. Concretizou-se o aguardado desfecho: a morte ou a prisão dos reis do tráfico. Rubinho morreu. Sabiá foi preso.

Além das muitas cenas de ação, Gloria Perez dedicou o último capítulo para delicados momentos de reconciliação. Como a de Ruy (Fiuk) e de Zeca (Marco Pigossi), que voltaram ao começo do tudo, o rio, que os separou no início da novela após os dois, ainda crianças, quase se afogarem. Em busca de Ritinha (Isis Valverde), já adultos e inimigos, os dois caem no mesmo rio, após um tentar salvar o outro. E, sob os cuidados do pajé, ouvem, desacordados: “a água que separaram vocês juntaram vocês de novo”. 

A personagem trans homem Ivan (Carol Duarte), cuja jornada foi tratada com extrema sensibilidade por Gloria, teve o desfecho que muitos da comunidade LGBT não encontram no seio familiar na vida real: a aceitação dos pais. No folhetim, eles acompanharam o filho na cirurgia de retirada de seios. Ivan aparece sem camisa. Gloria acertou ao imprimir realismo nesse momento. Ivan sente-se livre, como nunca antes, inclusive para se entregar a seu grande amor, Cláudio (Gabriel Stauffer). Bibi (Juliana Paes) cumpriu sua pena na prisão – e depois teve sua redenção na vida e no amor, com Caio (Rodrigo Lombardi). E Jeiza, após sequência vertiginosa de combate, vence sua luta de MMA. O último capítulo deixou o espectador entre sobressaltos e lágrimas. Um grande final para uma grande novela. 

Mais conteúdo sobre:
telenovelatelenovela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.