Jackson Lee Davis/ Netflix
Jackson Lee Davis/ Netflix

Nova temporada de 'Stranger Things' é 'mais obscura e aterrorizante'

'Se vocês tiveram medo com a primeira temporada, terão ainda mais com a segunda', disse o ator Noah Schnapp

Sara Pérez García, EFE

25 Outubro 2017 | 08h43

A fantasia das aventuras nos anos 80 de Stranger Things retorna à Netflix na próxima sexta-feira, 27, com uma segunda temporada "mais obscura e aterrorizante", revelou o ator Noah Schnapp, que interpreta Will na série.

"Se vocês tiveram medo com a primeira temporada, terão ainda mais com a segunda", disse Schnapp à Agência Efe durante a apresentação da nova temporada em Londres, acompanhado por outros atores.

A primeira temporada de Stranger Things conta a história de como um menino (Will) desaparece sem deixar rastros na fictícia cidade de Hawkins, no estado americano de Indiana, durante a década de 80.

O grupo de amigos de Will sai à sua procura enquanto sua mãe (Winona Ryder) abre uma investigação com as instituições locais para desvendar uma série de mistérios sobrenaturais relacionados a segredos do governo, que estão por trás do desaparecimento do filho.

Durante a investigação, é descoberto um laboratório que aparentemente realiza estudos científicos para o Departamento de Energia dos Estados Unidos através de experimentos sobrenaturais que incluem testes com humanos, entre eles Onze (Eleven, no original), uma menina com habilidades psicocinéticas que ajuda os meninos a resolverem o caso.

** Comercial com Xuxa e 'Stranger Things' é premiado em Cannes

Nesta segunda temporada, que terá nove episódios - um a mais que a anterior -, os acontecimentos se desenvolvem no outono de 1984 em um momento de exploração dos fenômenos paranormais.

Will retorna ao mundo real, mas não da forma que todos desejavam, o que levará sua mãe e seu irmão a se envolverem em misteriosos fatos para entender o que se passa dentro da cabeça do menino e descobrir qual é a ameaça que paira agora sobre Indiana.

A série continuará cheia de referências a filmes da década de 80, como "E.T. - O Extraterrestre", "Os Goonies" e "O Iluminado", e de vários detalhes técnicos com a intenção de respeitar a estética que caracterizou os longas-metragens de 30 anos atrás.

Trata-se de uma das grandes revelações da plataforma Netflix, que estreou em julho do ano passado e atraiu não apenas o público jovem, mas também grande parte de uma geração que encara os anos 80 com nostalgia.

O grupo de crianças protagonistas de Stranger Things relatou que assistiram a quase todos os filmes e estudaram, com ajuda, os livros da época dos pais para poderem entrar nos personagens.

Schnapp confessou que se tivesse de escolher algum filme daqueles tempos, "sem dúvidas, seria Os Goonies", mas que E.T. - O Extraterrestre também está entre os seus favoritos.

Por sua vez, Gaten Matarazzo, que interpreta Dustin na série, apontou que nesta temporada o público "poderá entrar na história de cada personagem" e comentou que seu papel continuará dando "momentos graciosos" a uma história cujas cenas de ação estão "muito mais concentradas" nos seus nove capítulos.

** Chiquinha participa de experimento em novo teaser de 'Stranger Things'; assista

Caleb McLaughlin, que atua como Lucas, disse que "é legal ser um dos poucos atores negros neste tipo de filme" e admitiu que muitos meninos e meninas da sua idade (16 anos) se aproximaram dele, o considerando uma "inspiração".

Uma das grandes contratações da temporada é o ator Sean Astin, conhecido pelos papéis em Os Goonies e O Senhor dos Anéis, e que agora interpretará Bob Newby, um antigo colega de escola de Hopper (David Harbour) e Joyce (Winona Ryder).

Outras caras novas são as de Sadie Sink (Unbreakable Kimmy Schmidt) que interagirá com o grupo e oferecerá "dinamismo" à série, Rob Morgan (The Knick) e Brett Gelman (Fleabag).

"Geralmente, Stranger Things é diferente porque oferece drama, comédia, fantasia, e isso é o que pode inspirar a criação de outras séries deste tipo", ressaltou McLaughlin.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.