Divulgação
Divulgação

Nova comédia de Andy Samberg desbanca gigantes no Globo de Ouro e incomoda canais a cabo

Ex-‘Saturday Night Live’ surpreendeu com sucesso de sua série 'Brooklyn Nine-Nine'

Bill Carter, The New York Times

14 Janeiro 2014 | 17h12

Eis o que acontece no mundo da televisão: quando uma série novata leva a melhor numa noite de premiação, vira o aborrecimento da noite.

Essa foi a principal reação às duas estatuetas que a nova comédia produzida pela Fox norte-americana, Brooklyn Nine-Nine, recebeu na noite de domingo na cerimônia da 71.ª edição do Globo de Ouro. A leve comicidade da estreante, que tem Andy Samberg na linha de frente, bateu dois gigantes dos seriados, The Big Bang Theory (indicado três vezes) e Modern Family (cinco indicações, uma vitória), sem contar Girls, da HBO, detentor de uma estatueta e de grandes expectativas.

Kevin Reilly, presidente de entretenimento da Fox, admitiu ter se surpreendido com os prêmios para Nine-Nine nas categorias melhor comédia e melhor ator cômico (Samberg). “Lembro-me do ano em que The Shield venceu como melhor drama (em 2002). Foi a primeira vez em que um programa da seleção básica do cabo venceu”, afirmou Reilly em uma entrevista na última segunda. “Agora, isso está se tornando quase esperado”, disse, acrescentando que as séries de canais a cabo norte-americanos sempre vencem os grandes prêmios. E completou: “a vitória de Nine-Nine é um grande transtorno para eles”.

Uma explicação possível para a surpreendente conquista de Nine-Nine, alguns diziam, é que os votantes do Globo de Ouro normalmente gostam de fugir daqueles que se espera ser os próximos programas de sucesso. “É como The Office”, compara Reilly, conhecido por ter sido um defensor da comédia, então estrelada por Steve Carell, quando estava na NBC e ajudou a manter a produção no ar até que se tornasse um sucesso. “Tem a mesma vibração.” Coincidentemente ou não, um dos criadores de Nine-Nine, Michael Schur, escreveu e produziu episódios de The Office e chegou a aparecer nela como Mose, o primo de Dwight.

Dan Goor, o outro criador do programa, passou uma década escrevendo para as atrações de Jon Stewart e Conan O’Brien. Schur e Goor buscavam construir uma comédia que se passasse num ambiente de trabalho e reunisse o mesmo tipo de elenco diverso e pouco convencional como as estrelas de outra popular produção de Schur, Parks and Recreation. Juntos, decidiram alocar a história de Nine-Nine numa delegacia de polícia no Brooklyn, em Nova York.

A série estrelada por Andy Samberg venceu seus dois Globos de Ouro pouco antes de ganhar o centro dos holofotes como uma das comédias da Fox a ser exibida logo depois do disputado Super Bowl no dia 2 de fevereiro (a outra será New Girl). “É o momento perfeito”, disse Reilly, que também disse que esta pode ser a hora ideal para anunciar uma segunda temporada. “Fiquei tentado a fazê-lo antes da cerimônia. O único impedimento foram compromissos com outros programas que eu precisava concluir. Não acho que será um grande anúncio. Eu esperava que o programa retornasse”, disse.

Nine-Nine certamente atrairá novos fãs graças à onda de atenção que recebeu após a premiação, vista por cinco vezes mais espectadores do que os que normalmente assistem à comédia. Graças a bons filmes e ao retorno de Tina Fey e Amy Poehler no comando da atração, esta edição do Globo de Ouro atingiu sua maior audiência nos últimos dez anos, um público de quase 21 milhões. Acertou em cheio jovens entre os 18 e os 49 anos, os mais disputados pelos anunciantes. Nessa categoria, conseguiu um aumento de 6% de audiência em relação ao ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.