Nos 50 anos da TV Cultura, ‘Provocações’ volta ao ar sob o comando de Marcelo Tas

Nos 50 anos da TV Cultura, ‘Provocações’ volta ao ar sob o comando de Marcelo Tas

Chamado agora de '#Provocações', programa estreia nesta terça-feira, 14, às 22h30, com Ciro Gomes como primeiro entrevistado

Adriana Del Ré, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2019 | 03h00

Durante 15 anos, o ator e diretor Antônio Abujamra foi a cara – e a alma – do programa Provocações, na TV Cultura. Concedendo um tom dramático a seu papel de entrevistador, Abu, como era carinhosamente chamado, tirava seus convidados da zona de conforto com perguntas instigantes, inesperadas. Após sua morte, em 2015, Provocações, órfão de seu célebre provocador, saiu do ar. Não se sabia o destino do programa até Marcelo Tas anunciar oficialmente em seu Twitter, em março, que havia aceitado “a missão de atualizar o Provocações, o anti-talk-show criado pelo mestre Antônio Abujamra”. Nessa nova versão do programa, que estreia na próxima terça, 14, às 22h30, a atração passa a se chamar #Provocações. A essência é a mesma do original, garante Tas, em entrevista ao Estado. Preservam-se a iluminação, o enquadramento de câmera, o estilo de perguntas. 

“A novidade é que serei eu quem fará o programa e isso, claro, muda muito, porque o Provocações é muito centrado na figura de quem está lá. Então, evidentemente que ele vai ter novas nuances, mas o DNA é o do programa. Vamos seguir a trilha e, quando você segue uma trilha, você estará sempre entrando num terreno desconhecido, e aí o improvável vai acontecer”, diz Tas. Outra nova característica da atração é a participação do telespectador usando a #Provoca. É por meio dela que será possível enviar perguntas para os entrevistados do programa. Foi assim também, pelas redes sociais, que o público escolheu o primeiro entrevistado do #Provocações: o político Ciro Gomes.

Marcelo Tas já gravou entrevista também com o humorista e apresentador Danilo Gentili, com quem trabalhou no CQC, e, segundo antecipa Tas, a apresentadora Maisa Silva, do SBT, confirmou sua participação no programa.

A volta da atração faz parte da programação comemorativa de 50 anos da TV Cultura, com 20 estreias e mais de 800 horas de novos conteúdos. Além de investir em produções próprias, como o já citado #Provocações, Cultura, O Musical, Escala Musical e Vitrine Brasil, a emissora destaca outras atrações, como a série de documentários Ciência de Tudo com Stephen Hawking e a produção Genius: A Vida de Einstein, protagonizada por Geoffrey Rush, ambas da National Geographic; a série Valentins, do Gloob, que acompanha as aventuras da família Valentim; a faixa Sala de Cinema, parceria da Cultura com a Spcine, com 36 longas de ficção e documentários; entre outras. 

Marcelo Tas à frente do 'Provocações'

Fã de Provocações, Marcelo Tas lembra que ele próprio foi duas vezes ao programa. Ao Estado, o apresentador fala do desafio de suceder Antônio Abujamra. Leia trechos da entrevista abaixo: 

Desde quando você e a TV Cultura estão falando em retomar o Provocações?

Tive a primeira conversa no final do ano passado, mas a coisa engrenou agora, na volta das minhas férias. Fui para a Índia e fiquei um mês e meio lá. Voltei no final de fevereiro, foi quando a gente assinou mesmo. O convite é muito honroso, porque sou muito influenciado por Abujamra. Fiquei honrado e também com muitas dúvidas se eu deveria aceitar, se estaria à altura do convite. Acho que um programa desse tamanho, dessa importância é uma coisa que só dá para aceitar quando a gente faz 60 anos, e, como vou fazer 60 este ano, achei que poderia (risos). 

Muito do programa original é mantido, como enquadramento de câmera, luz? 

Sim, o que tem diferente é que sou um cara que trafega por várias mídias, e aí vai ter um componente bastante importante de interação com as redes. Então, criamos #Provoca, que vai entrar várias vezes durante o programa, vai ter perguntas dos telespectadores para os nossos convidados. Por exemplo, o primeiro convidado foi uma decisão dos telespectadores. Joguei na rede: quem vocês querem que seja o primeiro entrevistado. Pela hashtag, o nome do Ciro Gomes foi maioria absoluta. Ainda com #Provoca, criamos uma pergunta que provoca o entrevistado uma semana antes de ele gravar entrevista. No caso do Ciro, foi: 'defina para Ciro Gomes o que é pavio curto', e aí a rede mandou ver. Na hora da entrevista, li para o Ciro o que chegou e peguei a reação dele. Ele começou a rir e tentou explicar racionalmente (risos). 

Ciro fala de política, mas também de outros temas?

O tema que ele teve muita dificuldade de abordar foi uma pergunta singela que eu fiz e que ele não conseguiu responder, ficou todo vermelho. Falei: 'Ciro, como é ser um símbolo sexual?'. Ele não queria responder de jeito nenhum. Eu disse: 'nós, homens, temos muita inveja de você. Dá uma dica, cara'.  

Danilo Gentili é outro entrevistado seu. Ele teve toda uma trajetória desde CQC, há polêmica hoje em relação ao humor que ele faz. Como foi falar com ele, que você conhece desde o CQC, nesse novo contexto?

Foi um desafio muito legal, porque realmente aconteceu com o Danilo um desenvolvimento em outras direções na carreira dele. Muitas vezes, eu discordo dele, nas posturas que ele tem, mas eu respeito muito o talento dele. Admiro não só o talento, mas também a dedicação ao trabalho. Procurei explorar muito coisas que ninguém sabe sobre ele, revelar coisas que ele esconde. No caso da história de vida, o pai é a figura mais importante da vida do Danilo. O pai teve uma morte precoce, morreu nos braços do Danilo. É uma cena forte que ele contou. Muita gente que apedreja o Danilo não faz ideia que ele morou num cortiço, trabalhava numa empresa de lixo, trabalhava de office-boy. E obviamente não aliviei para ele também. Procurei entender várias coisas que ele às vezes defende. Aliás, comprovei que algumas coisas que ele defende, ou que ataca, ele não conhece. Uma delas que me incomodou muito, por exemplo, foi quando ele ficou obcecado com o (educador) Paulo Freire, como se fosse o demônio. Coordenei o telecurso na TV Globo, e o Paulo Freire era nossa bússola. Fiz um testezinho com Danilo para ver se ele conhecia Paulo Freire e ele não conhecia. Aí até foi legal. Ele disse: ‘Então, me manda aí um livro de Paulo Freire’ (Tas imita a voz de Danilo). Vou mandar. Acho que resolvemos essa questão. Já valeu o Provocações para mim. O Professor Tibúrcio ensinou Paulo Freire para Danilo Gentili na TV Cultura.

É um crossover incrível...

Sim, o encontro do CQC, com Rá-Tim-Bum, com The Noite, e com Abujamra. 

E se lembrarmos de seu personagem, o repórter Ernesto Varela, ele era um provocador nato?

Total, acho que o Provocações tem mais a ver com o Ernesto Varela do que o CQC, porque o Ernesto Varela realmente tinha interesse na resposta para a pergunta que ele fazia. O CQC era um programa onde fazíamos pergunta, mas nem sempre tínhamos a capacidade de ouvir a resposta. O Provocações é o oposto: é um programa em que estou fazendo uma pergunta e o mais importante é eu ouvir a resposta. É um espaço raríssimo na TV. É por isso que eu topei fazer.

Mais conteúdo sobre:
Marcelo TasAntônio Abujamra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.