Kevin Mazur/Divulgação
Kevin Mazur/Divulgação

No programa 'Roast', Justin Bieber ri de seu passado problemático

Canadense é o cantor mais odiado nos Estados Unidos

Gabriel Perline, O Estado de S. Paulo

31 Março 2015 | 19h00

Cantor mais odiado nos Estados Unidos. O resultado da pesquisa feita pelo site norte-americano Mic.com, divulgado há poucos dias, é um reflexo de que a rebeldia de Justin Bieber, no alto de seus 21 anos, passou dos limites. 

Parte de uma estratégia de emergência encabeçada por seus mentores, a versão 2015 do cantor o coloca de volta à trilha do bom-mocismo. E para mostrar que a rebeldia ficou no passado, aceitou rir de si mesmo no Roast, programa do canal Comedy Central, que será exibido hoje no Brasil, às 22 h.

No palco, Bieber vê sua fama de troublemaker ser motivo de chacota por parte de humoristas e convidados, como o comentário ácido da culinarista Martha Stewart, que imaginou como seria a vida do cantor atrás das grades. “Sessenta milhões de seguidores no Twitter? O único lugar que as pessoas te seguiriam na cadeia seria em direção ao chuveiro.” O comediante Jeff Ross o comparou ao personagem mais odiado da série Game of Thrones. “Você é o Rei Joffrey do pop.” Snoop Dogg, Ludacris e Shaquille O’Neal também destilam seus venenos para cima do artista.


Alerta vermelho. O cantor canadense conseguiu mobilizar os pais de fãs adolescentes a iniciarem uma petição para que ele perdesse seu visto de residente no país por representar uma má influência a seus filhos. Apresentado ao mundo como a nova promessa do pop, o menino de cabelo escorrido e corte tigela, sorriso inocente e voz doce se rebelou. Antes visto como exemplar, deixou Lindsay Lohan no chinelo com suas travessuras. E foi apelidado, pela mídia internacional, como ‘pentelho do pop’.

Os shows, que antes tinham ingressos esgotados em instantes, deixaram de lotar. Fãs ficaram revoltados com o descaso do artista, que chegou ao ponto de cuspir, da sacada de um hotel, em um grupo que o aguardava para tirar fotos. No meet & greet pós-show - cujo valor chega a custar o triplo do ingresso da área mais nobre do local em que se apresenta -, nem sequer cumprimentava os adolescentes. 

Popularidade em baixa. Alerta vermelho acionado. Hora de trazer de volta o encantador Bieber de 2009. “Estou crescendo, descobrindo algumas coisas, como todo mundo. Estou descobrindo que tipo de homem quero ser”, disse o cantor em entrevista ao jornal USA Today. “Tive que ir ao fundo do poço para apreciar bons momentos. Sou o tipo de pessoa que aprende da maneira mais difícil para saber qual é a sensação. Mas cheguei a um ponto que não estava mais feliz, eu não era quem queria ser. Agora estou cercado de pessoas incríveis que me apoiam.”

Iniciou-se, então, o processo de limpeza de sua imagem. Primeiro passo: mudança de visual. O cabelo voltou a um comprimento semelhante ao do início de sua carreira. Em seguida, aproximar-se novamente da imprensa e de pessoas que o apoiaram quando ainda não era um fenômeno mundial. Ellen DeGeneres o recebeu de braços abertos em seu programa e tem dado suporte à empreitada do garoto. “Fiz muitas coisas nos últimos anos das quais eu não me orgulho. Eu senti que estava nervoso e só queria me explicar”, disse à apresentadora. “Quero que as pessoas saibam que sou humano, amo as pessoas, amo o amor, sou apaixonado pelas coisas, sou apaixonado sobre ser melhor e amadurecer. Então acho que este vai ser um capítulo incrível na minha vida e estou muito feliz por ter vocês me apoiando.”

DERRAPADAS

Convidado a se retirar

O hotel em que se hospedou impediu sua entrada com garotas de programa e o expulsou

Meet & Greet

Fãs alegam maus-tratos por parte da equipe de Bieber - que não permitiu ser tocado por ninguém

Vandalismo

Bieber foi flagrado pichando um muro, no Rio, e ordenou que sua equipe afastasse os paparazzi. A polícia foi chamada para intervir

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.