'No fim eu só pensava 'por que mataram a Bambi?''

DO ALÉM: Na segunda temporada, atriz de Capadocia volta como outra personagem

Patrícia Villalba, de O Estado de S. Paulo

08 de maio de 2010 | 16h00

CIDADE DO MÉXICO - Matar um personagem não é uma decisão simples, que se tome de ímpeto. Talvez por não acreditar que Capadocia, a produção da HBO no México em parceria com a Argos, teria uma segunda temporada, os roteiristas acharam bacana encerrar a primeira leva de episódios em tom altamente dramático, matando a figura mais interessante da série - Bambi, a terrível bandida interpretada pela atriz Cecilia Suárez.

 

Mas eis que bateu um arrependimento geral. Como fazer uma segunda temporada sem Cecilia Suarez? A solução é uma tremenda ousadia - digna, aliás, de novela mexicana. Cecilia volta na segunda temporada, com previsão de estreia no segundo semestre, mas interpretando outra personagem. A atriz, indicada ao Emmy por Bambi, será Valéria, psicóloga que começa a trabalhar no presídio Capadocia. "Quando ela chega, as presas percebem logo a semelhança com a Bambi. Mas isso fica velado, subentendido", adianta a atriz, que conversou com o Estado no monumental set da série, na Cidade do México.

 

O que você pode adiantar sobre a Valéria, sua nova personagem em Capadocia? É uma figura tão forte quanto a Bambi?

 

Sim, mas é completamente diferente da Bambi. Me deu muito trabalho compor, acabou sendo mais complicado do que eu achei que fosse. Aparentemente, ela é uma coisa, mas tem muitas vertentes que não são reveladas logo de cara na história. Com o andar da série, as pessoas vão simpatizar com ela, mas no primeiro momento, quando souberem o que a move, não sei se vão aceitá-la. Ela tem uma moral complicada.

 

E como foi voltar para a mesma série, mas com outra personagem?

 

Foi um risco absoluto da HBO e da Argos e uma responsabilidade enorme que me deram. Fiquei muito nervosa e insegura com isso! Mas acho que a decisão de me chamar de volta caracteriza tudo que a HBO faz - é um produtor que se distingue por correr riscos. Mas acho que esse risco pode resultar em algo interessante.

 

A Bambi foi uma personagem fortíssima. Como foi deixá-la?

 

Acho que aprendi com o tempo que você tem mesmo que fazer isso, despedir-se das personagens é inevitável. Mas naquele momento, até por achar que não voltaria mais à série, me deu um sentimento de perda muito grande. Eu pensava: ‘por que a mataram?’. Por isso, foi um presente poder voltar. A Valéria é uma personagem menor do que a Bambi, mas é libertador poder interpretá-la.

 

O roteiro aproveita a, digamos, semelhança física entre a Bambi e a Valéria?

 

Isso é apontado, mas de maneira sutil, sutil. A presença da Valéria gera uma espécie de psicose que é bastante interessante.

 

PENADINHOS

 

PAPIS - Em Dexter, o psicopata Dexter Morgan (Michael C. Hall) é auxiliado pelo espírito - ou delírio? - do pai, Harry (James Remar)

 

HIT - Na ilha de Lost, é comum gente morta, como o dr. Christian Shepard (John Terry), aparecer vivinha da Silva

 

É FOGO... - Em Rescue Me, Tommy Gavin (Denis Leary), um bombeiro de NY, convive com fanstasmas de gente morta no 11 de Setembro

Tudo o que sabemos sobre:
TV&LazerCapadociaHBO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.