DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Ney Latorraca resgata 'TV Pirata', para ele, 'atemporal', na Comic Con

Cristina Padiglione, O Estado de S. Paulo

05 de dezembro de 2015 | 03h00

Com 71 anos feitos, Ney Latorraca está longe de ser tratado como um “tiozinho” na Comic Con Experience, feira de cultura pop em São Paulo, onde ele desembarca hoje. O ator participa de um painel sobre o TV Pirata e seu legado, com Cláudio Paiva, Cláudio Manoel e Diogo Vilela, no Auditório Cinemark, às 19h, no contexto dos 50 anos da Globo. E, mesmo ciente de que a maioria ali não é contemporânea de Barbosa e sua turma, o ator não tem qualquer receio de não ser compreendido. 
“O TV Pirata é atemporal”, defende Latorraca, em entrevista à coluna por telefone. “O programa tem uma coisa de família, de pai que fala sobre aquilo para filho, tem uma memória afetiva muito forte que mantém aqueles personagens conhecidos para as novas gerações”, aposta. 
Produzido entre 1988 e 92, o humorístico foi um divisor de águas no riso televisivo brasileiro, que até então se abastecia do humor herdado do rádio. “O programa funcionou porque era escrito pelo pessoal do teatro – Cláudio Paiva, Cláudio Manoel, Miguel Falabella, Patrícia Travassos... E eu me lembro que quando o Guel (Arraes, diretor) nos chamou, nós não tínhamos nenhuma pretensão de revolucionar nada, fomos fazer aquilo sem nenhuma ambição.” 
Sobre Barbosa, o velho babão de Fogo no Rabo (paródia da novela ‘Roda de Fogo’), que ganhou quadro próprio, Latorraca lembra que o personagem nasceu quando ele tinha 10 anos, numa molecagem entre amigos. “Eu imitava um velhinho. Todo mundo pedia: ‘faz o velhinho!’. Quando apareceu o Barbosa, fui buscar lá na infância.”
Globo faz coprodução hispânica com Daniel Burman
A coluna antecipa aqui que a Globo anunciará hoje, na Comic Con, a coprodução com o diretor Daniel Burman para uma versão hispânica de Supermax, série de ficção sobre um reality show que se passa em um presídio de segurança máxima. Os dez episódios serão gravados no próprio Projac, onde toda a cenografia, de engenharia complexa, foi devidamente mantida de pé, justamente à espera da conclusão desse acordo. As conversas estão em andamento desde a concepção da nova série de Marçal de Aquino e Fernando Bonassi, e o próprio Burman (de O Abraço Partido) deu alguns pitacos no andamento do roteiro. O elenco será hispânico, podendo contar com breves participações de brasileiros. A ideia é vender essa versão para toda a América Latina e outros cantos do mundo. 
Pedro Bial, que participa da série no papel de apresentador do reality, como no BBB, com o diretor de 'Supermax', José Alvarenga Jr.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.