Netflix
Netflix

Netflix lança conteúdo interativo que permite mudar histórias

O espectador terá o poder de decidir, em certos momentos da história, que rumo deve tomar a trama

EFE

21 de junho de 2017 | 10h19

A Netflix revelou nesta terça-feira, 20, suas primeiras séries interativas nas quais o espectador terá o poder de decidir, em certos momentos da história, que rumo deve tomar a história.

Por meio de um comunicado de imprensa, a diretora de inovação de produtos da Netflix, Carla Engelbrecht Fisher, anunciou que Gato de Botas: Preso num Conto Épico já está disponível no mundo todo, enquanto Buddy Thunderstruck: A Pilha do Talvez chegará à plataforma no dia 14 de julho.

Além disso, Stretch Armstrong: The Breakout se encontra em produção e estreará no próximo ano.

No estilo dos livros nos quais o leitor tem a opção de decidir como continuar a história entre várias opções, estas séries permitirão ao usuário da Netflix escolher como se desenvolve a trama do episódio em pontos concretos da narrativa.

"O cruzamento dos nossos engenheiros no Vale do Silício com as mentes criativas em Hollywood deu a luz a um mundo de infinitas possibilidades de narração na Netflix", afirmou Engelbrecht Fisher.

"Os criadores de conteúdo desejam contar histórias não lineares, e a Netflix lhes oferece a liberdade de diversificar, experimentar novidades e realizar o seu melhor trabalho. Ser uma companhia de internet nos permite inovar com novos formatos, entregá-los em larga escala para milhões de pessoas em diferentes tipos de dispositivos e, o mais importante, aprender com isso", acrescentou.

A Netflix considerou que a programação infantil é "o espaço ideal" para testar este projeto, "já que as crianças adoram brincar com seus personagens favoritos e costumam manipular as telas".

Por enquanto, os conteúdos interativos da Netflix poderão ser acessado em Smart TVs e em dispositivos que usem o sistema operacional iOS, mas ainda não estarão disponíveis no site do serviço de streaming. EFE

 

Mais conteúdo sobre:
NetflixTelevisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.