'Na TV, o pagamento é garantido'

Ator troca cinema pela telinha e vive romance com transexual na nova[br]série Dirty Sexy Money

Etienne Jacintho, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2008 | 00h51

Quando William Baldwin entrou no set de Dirty Sexy Money para falar com alguns jornalistas, foi impossível não notar seu charme e a semelhança com o irmão Alec, mas foi mais difícil ainda não lembrar das piadas do South Park sobre a família Baldwin. O ator pareceu entusiasmado com o alcance de Dirty Sexy Money. "A série está em todos os continentes, certo?", perguntou à sua assessora. "Deve haver uns 80 ou 90 países na lista! Isso é ótimo... Quer dizer, deve ser. Não sei se devíamos estar em cem países e só estamos em 80." A assessora lança um olhar de reprovação, que foi repetido inúmeras vezes durante a entrevista. Como é seu personagem? Patrick Darling é o mais velho dos irmãos e um político. Ele é casado, tem dois filhos e vive um segredo: uma vida pessoal conturbada como o bom e velho Bill Clinton (risos)! Nem tanto... Meu personagem está tendo um caso com apenas uma pessoa fora do casamento e não dúzias... (risos)! Por que aceitou esse papel? O que me atraiu foi o fato de a série ter múltiplos gêneros - drama, comédia, novela... O criador é um cientista maluco. Não quero falar que é gênio, mas é isso. Isso sem falar no elenco e, claro, no papel. Adorei a oportunidade de interpretar o lado político do personagem, mas também o cômico e o dramático. E contracenar com Candis (Cayne), que eu não conhecia - só sabia do romance com o transexual. Me perguntam se fiquei nervoso como o enredo, mas essa foi uma das maiores razões para querer o papel. Quando você decidiu se envolver com televisão? Há uns dois anos, tentei produzir uma série. Tive projetos com Tom Fontana, Sidney Pollack, Chazz Palminteri... Mas por que atores como você decidiram abrir essa porta? Acho que na TV há mais controle criativo dos roteiristas e mais dinheiro. Por isso os roteiristas começaram a circular nesse meio, primeiro na HBO, Showtime e FX, mas agora também em redes abertas. Os roteiristas conseguem manter mais a autoria e ganhar muito mais dinheiro. E os atores vão onde está o bom material. O mercado está mudando. Sou casado e tenho três filhos. O nível da TV está melhor e você tem pagamento garantido. É um estilo de vida para atores com filhos? São poucos os atores que conseguem emendar trabalhos. Geralmente, você termina um filme e volta para sua vida de desempregado, tentando descobrir o que virá. E, às vezes, nada aparece por seis, oito meses. Na TV, você tem a segurança de saber que fará esse trabalho por um ano, dois, três... Quando fizeram a encomenda de uma 2ª temporada completa, foi ótimo, pois sei que terei trabalho até lá e posso escolher se farei uma peça, um filme ou se viajarei com meus filhos durante a entressafra de temporadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.