SBT/ Divulgação
SBT/ Divulgação
Imagem Cristina Padiglione
Colunista
Cristina Padiglione
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Morre o cantor e humorista Canarinho

Entre os vários trabalhos, participou do programa 'A Praça É Nossa'

Cristina Padiglione, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2014 | 16h42

Morreu na tarde desta sexta-feira o cantor e humorista Canarinho, figura das mais populares do banco d’A Praça É Nossa, do SBT. Nascido Aloísio Ferreira Gomes, ele tinha 86 anos e estava internado desde domingo no Hospital Santana, em Mogi das Cruzes (SP), após sofrer um infarto agudo no miocárdio.

Baiano de Salvador, Canarinho começou no rádio, aos 17 anos, atuando também no cinema, além da TV, seu espaço mais constante. Chegou a São Paulo em dezembro de 1955 com o conjunto de samba do Internacional Russo do Pandeiro.

Já em 1956 ele se sentaria pela primeira vez no banco da Praça – ainda Praça da Alegria, pela Record, sob o comando de Manoel da Nóbrega.

Participou também da segunda versão do Sítio do Picapau Amarelo, exibida pela Rede Globo entre as décadas de 1970 e 80, onde dava vida a Garnizé, contracenando então com Tonico Pereira, o Zé Carneiro.

Em 1987, voltaria para a Praça, já no SBT, como um telefonista que atendia às pessoas necessitadas, inicialmente de um telefone público e depois com um celular. O bordão pedia que o personagem falasse alto, sempre perto de alguém, e se intrometesse nas conversas alheias. Interpretou também o personagem Boneco.

O corpo do humorista será cremado. Ainda não há informações sobre velório.

Tudo o que sabemos sobre:
CanarinhoHumoristaCantor

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.