Divulgação
Divulgação

Mocinho é cilada

Ninguém está acima do bem e do mal em 'Poder Paralelo', novela de Lauro César Muniz na Record

Cristina Padiglione, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2009 | 23h42

Tony Castellamare (Gabriel Braga Nunes), o protagonista da novela que a Record põe no ar nesta terça-feira, às 22h30, está metido até os cabelos (agora alisados, vá lá) com a máfia siciliana. Dentro de alguns capítulos, o telespectador passará a suspeitar de que ele talvez seja agente do Departamento Antidrogas Americano, o DEA, infiltrado no narcotráfico. Corta.

O delegado Telônio Meira (Tuca Andrada), da Polícia Federal, que investiga Tony, logo assume a condição de investigado - qualquer semelhança com o delegado real Protógenes Queiroz não é mera coincidência.

O autor Lauro César Muniz crava assim que ninguém, nem aparentes mocinhos nem rotulados bandidos, é hoje crível se não apresentar o mínimo de ambiguidade, de contradições, de defeitos que enfim o aproxime do bicho homem.

"Um bom personagem tem de ter contradições, dúvidas, angústia. É por isso que os heróis faliram. Até o Batman, nesse último filme, mostra suas fraquezas", argumenta.

Para ele, a falta de interesse que o público vem mostrando por novelas, de modo geral, tem tudo a ver com o estereótipo fracassado de mocinhas e heróis. "Há uma saturação. O público começou a desmistificar os heróis, até seus políticos foram pegos de calças curtas. E a informação, que hoje é muito forte, vinda de todos os lados, permite às pessoas formar conceitos menos maniqueístas", completa.

VENDETTA

Poder Paralelo tem como base o livro Honra ou Vendetta, que Silvio Lancellotti escreveu há 18 anos, a partir das velhas tradições da máfia siciliana e dos conflitos gerados com a máfia do narcotráfico.

A edição em pocket da L&PM tem 740 páginas. A "pilha" de capítulos escritos para a novela soma, até aqui, mais de 1.200 páginas. Aos personagens originais, Muniz acrescentou outros, principalmente femininos, essenciais em folhetins, porém relegados a segundo plano em enredos de máfia.

Se é possível se divertir escrevendo novela? Sempre é, mas a disciplina, dessa vez, é germânica. Muniz se amparou de seis colaboradores - Dora Castellar, Aimar Labaki, Mário Viana, Nilton Kanuto e Rosane Lima - para um expediente diário (inclusive fins de semana e feriados), que vai das 13h à 1h da matina. Haja entretenimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.