Divulgação
Divulgação

Mistério e redução de custos para recriar a Bíblia na TV

Em ‘Milagres de Jesus’, primeira grande produção após nova estratégia da Record, Cristo só aparecerá de costas

João Fernando, O Estado de S. Paulo

28 de dezembro de 2013 | 11h00

Após atrações caras, que chegaram a custar cerca de R$ 800 mil por capítulo, como o caso de José do Egito, exibida ao longo de 2013, a Record viu que era a hora de enxugar as contas da casa. Sem ajuda divina para rodar a nova série bíblica, a emissora recorreu a uma produtora, a Academia de Filmes, para reduzir os custos e dar início a Milagres de Jesus, com estreia prevista para 22 de janeiro.

O atores dizem que a dinâmica do trabalho fora do canal pouco mudou. “A maneira de conduzir o trabalho talvez seja um pouco diferente, já que a equipe está familiarizada com a linguagem do cinema, e o trabalho foi feito assim, no ritmo e com o perfeccionismo que essa estética privilegia”, avalia Roberta Gualda, que protagoniza o episódio A Mulher Encurvada.

Diferentemente de José do Egito, em que o elenco gravou fora do País e a equipe técnica foi ao Oriente Médio para filmar imagens de passagem de tempo, Milagres de Jesus teve as cenas rodadas no Paraná e no Piauí, além do Rio. Mesmo com a redução de custos, haverá efeitos de computação gráfica para tramas como A Pesca Maravilhosa, em que Cristo multiplica os peixes do rio e o pescador Simão (Caio Junqueira) passa a se chamar Pedro e se torna um discípulo, personagem presente em toda a série.

Apesar de a série girar em torno da figura de Cristo, ele só aparecerá de costas. A participação do protagonista está restrita às cenas em que realiza o milagre. A maioria dos capítulos, cujo número ainda não foi definido pela Record, trata de doentes graves ou pessoas com problemas com a família.

A história de Miriam (Roberta Gualda) é sobre uma mulher que, além de ter de se prostituir, vai ficando curvada por causa do trabalho braçal feito na juventude. A atriz passou os dias de gravação andando torta. “Mas nada que um banho quente e uma boa noite de sono não resolvessem”, garante ela, que só voltou a ficar ereta quando a personagem encontra Jesus.

No episódio O Endemoniado de  Gerasa, Quenate (Claudio Gabriel) é um homem pacato que gosta de beber muito e começa a agir de acordo com orientações de espíritos malignos que vê. O ator garante que a trama abordada não vai parecer caricata na tela. “Acredito que esses doentes eram considerados loucos, sem nenhum diagnóstico. Ou, ainda, tidos como criaturas endemoniadas e banidos do convívio social. Ainda hoje, em muitos casos acontece o mesmo. Considerei esse personagem um esquizofrênico. Ele ouve vozes, tem alucinações, sofre muito e luta para sair deste quadro.”

Em outro caso, como o de A Cura do Servo do Centurião, a história aborda a questão de mudança na fé, com a chegada do messias. Nele, o centurião Fídeas, interpretado por João Vitti passar por apuros por perceber que não segue mais as crenças de Roma e sente-se culpado por oprimir os hebreus na região da Palestina no momento em que seu servo fica paralítico.

Mesmo já tendo dado expediente em outras produções bíblicas da Record, como Sansão e Dalila e Rei Davi, o ator afirma ter ficado mais sensibilizado com o novo trabalho, que traz um trecho menos conhecido do livro sagrado. “Na adolescência, estudei em colégio de padres, portanto, era comum o meu contato com passagens da Bíblia, sobretudo o novo testamento e a trajetória de Jesus. Ao ler o roteiro do meu episódio, reconheci uma frase que havia no missal. Curiosamente, essa frase está na boca do meu personagem”, relembra Vitti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.