Ministério Público pede condenação da Globo por 'Duas Caras'

Maior problema foram as cenas da dança no poste da personagem Alzira (Flávia Alessandra)

Da Redação,

02 de abril de 2008 | 16h27

A novela Duas Caras é alvo do Ministério Público Federal de Minas Gerais que, em Ação Civil Pública, pede a condenação da Rede Globo por "danos morais coletivos por conteúdo irregular" na trama das 21h da emissora, segundo o site da revista Consultor Jurídico (Conjur).   Segundo o site, a novela foi reclassificada pelo minitério em julho do ano passado, passando de 12 para 14 anos sua faixa indicativa. Assim, teria que ser exibida após as 20 horas. Mesmo assim, cenas inadequadas, em especial a dança no poste da personagem Alzira, interpretada pela atriz Flávia Alessandra.   "A ação foi ajuizada na 7,ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte no dia 24 de março. Segundo o procurador Fernando de Almeida Martins, autor da ação, a novela veiculou conteúdo alusivo a consumo de drogas ilícitas, atos criminosos e homicídio. Ele reclama ainda que foram exibidas cenas com insinuação sexual, erotismo, sensualismo e promiscuidade. Martins diz que a novela é inadequada para o horário, segundo as regras de classificação indicativa estabelecidas pelo Ministério da Justiça", conforme o Conjur.   O MPF alerta para o agravamento da questão nos estados em que a programação é antecipada por conta do fuso horário. Além disso, segundo o MPF, tais cenas são repetidas em programas em horários livres como o Mais Você, de Ana Maria Braga.   A Rede Globo defendeu-se dizendo que retirou as cenas de dança no poste da novela. Porém, segundo o procurador, a atitude não repara danos causados às crianças e adolescentes que as assistiram.   "Pede-se o pagamento de 1% do faturamento bruto da emissora durante 2007 como dano moral coletivo. Ele deve ser revertido ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos", segundo o Conjur.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.