Iara Morselli/Estadão
Iara Morselli/Estadão

Miguel Falabella deixa a Globo após 39 anos: 'Vida que segue, tem coisa para fazer'

Emissora não renovou contrato do ator e diretor, que começou a fazer sucesso nas telas brasileiras na década de 1980

Caio Nascimento, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2020 | 12h40

Miguel Falabella foi comunicado pela Globo nesta quinta-feira, 4, que seu contrato com a emissora, que vai até setembro, não será renovado. Ao Estadão, ele afirmou que foi avisado com antecedência da demissão e que não houve um acordo sobre sua saída.

"Meu contrato acabou, avisaram com antecedência que não iam renovar, mas foram super elegantes, não teve estresse, não. Eu já estava meio que esperando. Vida que segue, tem coisa para fazer", afirmou.

Falabella assinou seu primeiro contrato com a Globo em 1981, aos 25 anos. Hoje com 63, o ator e diretor publicou em seu perfil nas redes sociais uma foto ainda jovem, de quando estava començando sua carreira na empresa e comentou sua saída em tom nostálgico. "Nesses quase 40 anos, fui muito feliz e muito bem tratado sempre. Seguir novos caminhos não significa abandonar o que se conquistou na caminhada. Só tenho boas lembranças. Só tenho sorrisos. Cheio de gratidão por todos os companheiros que estiveram ao meu lado nessa jornada e ao público que viu algo em mim que nem eu mesmo via. Obrigado", agradeceu.

"Eu ia fazer um vídeo, mas nessas horas a gente fica com o coração mole. Como diria Drummond, amanhã eu recomeço", completou. Procurado pela reportagem, o grupo Globo informa que vem mudando as dinâmicas de parcerias com seus artistas para "preparar a empresa para os desafios do futuro", em sintonia com as transformações do mercado.

"Temos evoluído nos nossos modelos de gestão, de criação, de produção, de desenvolvimento de negócios e também de gestão de talentos. Miguel Falabella, assim como outros companheiros, tem abertas as portas da empresa para futuros projetos em nossas múltiplas plataformas", afirma a equipe de comunicação.


Miguel Falabella estava escalado para o grupo de jurados do Show dos Famosos, quadro do Domingão do Faustão, de 2020, no entanto a atração foi adiada devido à pandemia do novo coronavírus.

Carreira

A primeira novela na qual Miguel Falabella atuou foi em Sol de Verão (1982), de Manoel Carlos. Desde então, alavancou seu sucesso nas telas brasileiras: no mesmo ano, atuou em Caso Verdade, depois encenou em Livre para Voar (1984), Amor com Amor se Paga (1984), Selva de Pedra (1986), O Outro (1987) e Tieta (1989).

Falabella se destacou também em sua longa passagem pelo Vídeo Show, que estreou em março de 1983. Ele foi apresentador da atração de 1987 a 2000. Em 2016, ele voltou para apresentar o quadro Memória Nacional, que homenageava artistas consagrados. O programa chegou ao fim em janeiro de 2019.

Na década de 1990 atuou em seis projetos da Globo, até ir ao ar com a sitcom Sai de Baixo (1996 - 2002), considerado por muitos um dos seus trabalhos mais marcantes na TV, com o papel de Caco Antibes, personagem que tinha horror a pobres e era casado com Magda (Marisa Orth). Até hoje suas frases são compartilhadas em postagens de humor nas redes sociais.

Outro sucesso cômico foi em Toma Lá, Dá Ca (2007 - 2009), vivendo Mário Jorge, um corretor de imóveis casado com Celinha (Adriana Esteves) e vizinho à ex-esposa (Marisa Orth) num edifício do condomínio Jambalaya; a dinâmica teatral era semelhante à de 'Sai de Baixo'.

Em 2016, ele atuou como Ruço em Pé Na Cova, como dono da funerária FUI, no bairro do Irajá. Em 2017, foi jurado no Show dos Famosos, atuou em Brasil a Bordo e Cidade Proibida.

Seu papel mais recente foi como Miguel em Cine Holliúdy, uma série produzida e exibida pelo serviço de streaming Globoplay, cujo lançamento da primeira temporada ocorreu em abril de 2019. 

 

Relembre trabalhos marcantes de Miguel Falabella na TV

/Colaborou Ubiratan Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
Miguel FalabellaRede Globotelevisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.