Mesmo com greve, programas de fim de noite voltam ao ar nos EUA

A volta dos programas humorísticos defim de noite na TV norte-americana teve guerra de políticos,barba nova e manifestações de solidariedade aos roteiristas emgreve, cujo protesto gerou dois meses de muitas reprises no ar. Mas só David Letterman, além do menos conhecido CraigFerguson, do "The Late Late Show", retornou com sua equipe deredatores intacta, graças a um acordo fechado pela produtora deLetterman com a Liga dos Redatores dos EUA (WGA, na sigla eminglês). "Senhoras e senhores, o único programa no ar que tem piadasescritas por redatores sindicalizados", declarou Letterman emseu monólogo de abertura. "Sei que vocês estão pensando aí emcasa: Essa porcaria é escrita?" O retorno dos apresentadores-humoristas do fim de noite éum marco para o pior confronto trabalhista nos últimos 20 anosem Hollywood, e acontece depois de oito semanas de disputaentre a WGA e os estúdios pelo pagamento de obras distribuídaspela Internet. Embora as negociações ainda estejam emperradas, a volta dosprogramas de fim de noite deve atrair mais atenção à causa dosroteiristas e redatores. David Letterman passeou pelo palco emmeio a cartazes sobre a greve e exibiu a barba que cultivou nasoito semanas de férias forçadas. Os rivais de Letterman, Jay Leno e Conan O'Brien, além deJimmy Kimmel, também retomaram as transmissões pela primeiravez desde o início da greve, em 5 de novembro. Mas, como seusprogramas são produzidos por estúdios-irmãos de suas redes,eles não podem negociar acordos independentes com a WGA comofez a produtora de Letterman, a Worldwide Pants. Por isso, osredatores sindicalizados não podem preparar as falas dessesapresentadores. Mesmo assim, Leno e O'Brien abriram seus programas comfalas que pareciam ter sido preparadas com antecedência,incluindo notas de apoio aos redatores e estocadas nas redes. O acordo de Letterman com a WGA deve facilitar a ida decelebridades ao programa, já que elas não precisarão furar agreve. O ator Robin Williams foi o primeiro a se sentar no sofá deLetterman. Já a entrevista de abertura de Leno foi com opré-candidato à Presidência dos EUA pelo Partido RepublicanoMike Huckabee, que tocou baixo na banda do programa durante oscomerciais. A pré-candidata democrata Hillary Clinton também entrou nojogo, aparecendo via satélite de Iowa no programa de Letterman."Dave ficou fora do ar por oito longas semanas por causa dagreve dos redatores", disse ela. "Hoje ele está de volta. Fazero quê, tudo que é bom um dia termina." (Reportagem adicional e texto de Steve Gorman)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.