JF DIORIO /ESTADAO
Marieta Severo no set de filmagem do filme 'A Voz do Silêncio' JF DIORIO /ESTADAO

Marieta Severo recebe alta de hospital e se recupera de covid-19 em casa

Atriz foi diagnosticada com pneumonia em decorrência do novo coronavírus

Camila Tuchlinski, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2020 | 17h05

Marieta Severo, de 74 anos, recebeu alta do hospital neste sábado, 12, após ficar internada por mais de uma semana com diagnóstico de covid-19. A atriz teve pneumonia em decorrência do novo coronavírus e agora se recupera em casa. Os primeiros sintomas surgiram no fim de novembro, quando ela teve febre e dor de cabeça. 



Ao saber do diagnóstico, a atriz foi afastada das gravações de Um Lugar ao Sol, próxima novela das 21, na TV Globo. "Caso alguém teste positivo, a pessoa é afastada do set para preservar a saúde dos outros integrantes da equipe", informou a emissora por meio de sua assessoria de imprensa. 

Na televisão, Marieta Severo está na novela Laços de Família, reprisada pela emissora. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Marieta Severo fala do novo filme ‘A Voz do Silêncio’

Atriz explica como prepara suas personagens; novo longa de André Ristum estreia nesta quinta-feira, 22

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2018 | 06h00

Grande atriz multimídia – de teatro, cinema e TV –, você pode pensar que, justamente por isso, Marieta Severo prescinde de preparação. Basta ler o roteiro do filme, da novela, da peça, para saber o que fazer. “Mas de onde você tirou isso?”, Marieta finge indignação, ao conversar com o repórter no restaurante da Reserva Cultural. O tema é a estreia na quinta, 22, do longa de André Ristum, A Voz do Silêncio, em que ela está – como sempre – magnífica, mas também poderia ser o filme que roda no Rio, a preocupação com o salto no escuro que o Brasil está dando com o novo governo, etc. Motivos para preocupação não faltam, mas Marieta não desanima. É o lado ‘Dona Nenê’ – sua personagem no seriado A Grande Família – da estrela. “Dificuldade faz parte. A gente enfrenta, supera, não se rende.”

É interessante parar um pouco, e retroceder. Marieta ainda precisa se preparar para um papel? “Claro! É a parte que mais gosto. Estou sempre aprendendo com minhas personagens.” A Maria Cláudia de A Voz do Silêncio leva uma vida solitária, idealizando o filho que caiu no mundo e brigando com a filha que está ali ao lado. Maria Cláudia não bate bem. “Para entender o isolamento e o sofrimento de uma mulher, fui à fonte da dra. Nise da Silveira. Li nos seus escritos, revi os filmes de Leon Hirszman, A Trilogia do Inconsciente.” É assim que ela se prepara – “O roteiro (do próprio André Ristum) é muito bem escrito, mas eu precisava mais. Queria entender por que ela é assim e como a repressão a paralisou. Maria Cláudia é uma personagem muito triste. Não vou dizer que tive prazer em interpretá-la, mas é sempre bom entender o outro, principalmente quando é tão diferente de nós. Não sou Maria Cláudia, ela é muito diferente de mim, mas foi interessante tentar penetrar na sua cabeça, para ver como funciona.”

É assim que Marieta Severo funciona como atriz, tentando entender suas personagens, para melhor expressá-las – no teatro, cinema e TV. Justamente, a televisão. Contratada da Globo, sua personagem mais recente foi a vilã Sophia da novela O Outro Lado do Paraíso. Ela não está nem um pouco aflita para voltar à telinha – “Gosto de dar um tempo, que me esqueçam”, diz. Isso não significa que esteja parada. Agora mesmo, roda um filme na Ilha de Paquetá, no Rio. Veio a São Paulo numa pausa de filmagem. Esse outro longa, com roteiro e direção de Zeca Ferreira, chama-se Noites de Alface. Ferreira é um premiado diretor de curtas e documentarista. Foi assistente de Nelson Pereira dos Santos (Raízes do Brasil), Hugo Carvana (Casa da Mãe Joana) e Miguel Faria Jr. (Chico, Artista Brasileiro). O filme inspira-se no romance homônimo da escritora paulistana Vanessa Barbara. Mostra a solidão de Otto (Everaldo Pontes), após a morte da mulher, Ada – a personagem de Marieta. O roteiro é permeado de humor e pitadas de suspense.

Dublê de escritora e jornalista, Barbara ganhou o Jabuti de reportagem por O Livro Amarelo do Terminal, sobre o cotidiano na Rodoviária do Tietê. Vieram depois os romances, sua HQ (A Máquina de Goldberg, com ilustrações de Fido Nesti), etc. Marieta está impressionante como Ada – grisalha, acabada. Ela também filmou com a atriz, nesse caso diretora, Maria de Medeiros e Zé de Abreu, Aos Nossos Filhos. O roteiro baseado na peça de Laura Castro sobre o conflito de gerações, homossexualidade e novas conformações familiares. Mãe que foi guerrilheira tem de lidar com a revelação da filha de que vai ter um filho com a companheira. “Fiz minha lição de casa, pesquisei muito sobre os anos de chumbo, a guerrilha, a repressão do regime militar. Vivi tudo isso como mulher do Chico (Buarque de Holanda), que estava sempre na mira da ditadura. Mas era uma coisa meio irreal, eu era muito jovem. Me colocar agora na pele dessa mulher me deu outra visão e o que pesquisei foi muito revelador.”

Marieta anda muito preocupada com os rumos da cultura no País. “Estão tentando nos criminalizar (a classe artística), mas eu sei bem por que isso ocorre. Porque somos críticos, incômodos, dizemos o que muita gente não quer ouvir.” E ela conta – “Possuímos dois teatros no Rio, o Poeira e o Poeirinha, Andréa Beltrão e eu. Não somos empresárias pelo prazer de programar, para ganhar dinheiro. Pode parecer estranho para quem só pensa em poder e dinheiro, mas tem muito de entrega, de militância nisso. Temos uma série de programas – de artistas convidados, etc. Andréa e eu operamos no vermelho. Tem coisas para as quais não temos patrocínio, mas a gente põe dinheiro porque acredita. No teatro, no Brasil, no público. As coisas estão esquisitas, mas é uma fase. Vai passar.” 

Tudo o que sabemos sobre:
Marieta Severocinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

'A Voz do Silêncio' é um filme sobre a solidão urbana em São Paulo

Na produção de André Ristum, as noites de solidão estão convergindo para uma lua de sangue

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2018 | 06h00

Na mesma rodada de entrevistas sobre A Voz do Silêncio em que o repórter se encontrou com Marieta Severo, também estavam o diretor André Ristum e o ator Arlindo Lopes. Ristum, de 36 anos – fará 37 em dezembro –, teve uma infância e adolescência que muitos considerarão privilegiada. O pai, Jirges, era amigo de Glauber Rocha. O padrasto, Ivan Isola Negro, quando a família residia na Itália – no exílio –, introduziu-o no círculo de Bernardo Bertolucci e André foi assistente em Beleza Roubada.

A Voz do Silêncio é um filme sobre a solidão urbana. O começo, até chegar ao primeiro personagem, é um poema sobre essa São Paulo gigantesca, desumana, mas que possui uma beleza particular. Como se filma a metrópole e aqueles que ela despreza? O filme pode ser uma boa resposta, como também é A Moça do Calendário, de Helena Ignez. Ristum diz que seu filme nasceu da observação. “No prédio em que morava anteriormente havia esse velho solitário. Nunca o vi com ninguém. Foi talvez o primeiro personagem em quem pensei. Foram surgindo mais dois ou três. No meu imaginário, essas pessoas, embora fictícias, se tornaram reais. E aí o que eu tive de fazer foi misturar as histórias, para criar esse filme coral.”

Marieta Severo é uma estrelas, mas, em termos de permanência em cena, sua personagem, Maria Cláudia, não é protagonista. Sua história não catalisa as demais. Ela é uma peça da engrenagem que arma as diferentes tramas de A Voz do Silêncio. Maria Cláudia é evangélica, vive solitária. Tem esse filho que escorraçou de casa ao descobrir que era gay, e há outro segredo sobre o garoto que vai sendo desvendado ao longo do filme. Arlindo Lopes é quem faz o papel. Interpretou Chitãozinho num telefilme de Ristum, Nascemos para Cantar (sobre a dupla, o irmão Xororó e ele). Ristum escreveu o personagem de A Voz do Silêncio para Arlindo. “Não é demais?”, pergunta o ator. A irmã é quem cuida da mãe, mas ela também tem problemas com a carreira. Quer ser cantora, mas na boate os clientes querem mais que ela tire a roupa.

São várias histórias – a corretora que não consegue vender nada, seu pai que tem um programa de rádio e está morrendo, o sushiman que quer prestar exame para cursar direito, etc. Além de escrever o filho para Arlindo Lopes, Ristum escreveu a filha para sua ex-mulher, Stephanie De Jongh. Há tempos queria trabalhar com Marat Descartes, Cláudio Jaborandy. Os personagens foram se ajustando aos atores. Maria Cláudia, que seria o problema – pela complexidade –, quando terminou ele achou que teria de ser Marieta Severo. Ela topou. Nicola Siri é presença permanente em seus filmes. E os argentinos vieram com a coprodução.

Todas essas histórias articulam-se em torno de um eclipse – o eclipse da sociedade humana? Michelangelo Antonioni, 1962. A Lua torna-se vermelha, como a violência irrompe nas histórias. Tanta solidão poderia resultar, quem sabe, num filme deprê, mas há algo de Paraíso Perdido, o belo longa de Monique Gardenberg, nessas histórias cruzadas. Como construir a superação? Mesmo com risco de spoiler, aí vai. Toda a arquitetura dramática converge para o elaborado final, um plano-sequência que, sem resolver propriamente as histórias individuais, articula todos os personagens. Onde, como? Veja – Ristum ainda é jovem, mas a cena é de mestre.

Tudo o que sabemos sobre:
Marieta SeveroAndré Ristumcinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.